fbpx Medical | Amato Software

Medical

Discectomia Endoscópica Percutânea Lombar

Artigo publicado pelo Dr. Marcelo Amato e equipe nos Arquivos Brasileiros de Neurocirurgia:

Radiation Exposure during Percutaneous Endoscopic Lumbar Discectomy: Interlaminar versus Transforaminal

Exposição à radiação durante discectomia endoscópica lombar percutânea : interlaminar versus transforaminal

Acesso através do link:

https://thieme-connect.com/products/ejournals/abstract/10.1055/s-0038-16...

Categories: Medical

Modelo Experimental para Cirurgia Endoscópica

Experimental Model for Transforaminal Endoscopic Spine Procedures

Artigo publicado pela nossa equipe com o intuito de facilitar o ensino da endoscopia de coluna no Brasil e no mundo. 

Artigo grátis através dos links abaixo:

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/30624513

http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-86502018001...

Categories: Medical

Cirurgia Vascular e Endovascular

Amato Consultório Médico - Sat, 01/26/2019 - 21:11
Cirurgia Vascular

tratamento de varizes, vasinhos, veias varicosas, mas também artérias, aneurismas, estenoses, fístulas e outros

O que a angiologia e a cirurgia vascular e a cirurgia endovascular trata? O Cirurgião Vascular é o médico responsável pelas doenças que acometem os sistemas arterial, venoso e linfático. Embora seja conhecido mais pelo tratamento de varizes, vasinhos, microvarizes e teleangiectasias, isso é apenas uma parte dessa ampla especialidade e se deve ao fato das varizes serem muito prevalentes em nossa população e possuirem um aspecto estético importante.

O angiologista é o médico responsável pelas doenças clínicas vasculares que não necessitam de cirurgia. Porém é muito difícil separar uma especialidade de outra. Inicialmente porque o paciente que procura o médico não saberá dizer se a conduta será cirúrgica ou não, isso caberá ao médico decidir. Portanto as duas subespecialidades estão intimamente relacionadas, sendo o cirurgião vascular apto a tratar clínicamente das doenças vasculares não cirúrgicas.

O Cirurgião Vascular que possui também titulação para exercer a Cirurgia Endovascular pode utilizar-se de recentes técnicas minimamente invasivas para realizar procedimentos cirurgicos. As novas técnicas endovasculares fornecem uma perspectiva diferente para os pacientes, com tempo de recuperação mais rápido, incisões menores ou ausentes, menos tempo de UTI, internações mais rápidas e outras vantagens.
A grande pergunta é: "Então porque todos não usam cirurgia endovascular para todas as doenças vasculares?"
Porque já existem indicações precisas para o uso das técnicas endovasculares. Em alguns casos a técnica tradicional ainda é superior a endovascular. Por isso é necessária uma cuidadosa investigação e planejamento por cirurgião apto para realizar tanto procedimento tradicional quanto endovascular.

 

Sistema arterial:

O sistema arterial é frequentemente acometido por aterosclerose, que é uma doença evolutiva (surge com a idade) e progressiva. As artérias que apresentam aterosclerose tornam-se estreitas e endurecidas, podendo haver bloqueio da passagem do sangue, levando à isquemia dos tecidos. Isto pode acontecer no coração (infarto do miocárdio), nas pernas (doença arterial obstrutiva periférica) e também nas artérias do pescoço, as carótidas, acarretando isquemia cerebral, que pode ser transitória (AIT - ataque isquemico transitório) ou definitiva (AVC - acidente vascular cerebral). As artérias também podem se dilatar, formando aneurismas, que são potencialmente graves, pois a dilatação do vaso enfraquece a parede com a possibilidade de rompimento do vaso e consequente hemorragia, o chamado aneurisma roto. O aneurisma mais comum é o da aorta abdominal.

- Aterosclerose, Arteriosclerose, Ateriolosclerose

Sistema venoso:

As doenças venosas são as mais frequentes, sendo as varizes e as tromboses venosas as de maior incidência. As varizes são veias em membros inferiores que se apresentam dilatadas e tortuosas, podendo levar a sintomas como dor, peso e cansaço. A trombose venosa é a formação de coágulos dentro das veias, que podem se desprender e ir para o pulmão, causando embolia pulmonar.

 

Sistema linfático:

Os problemas linfáticos são menos frequentes e ocorrem quando os membros inferiores apresentam dificuldade de drenagem da linfa, com formação de edema, que é endurecido e constante.

Exames auxiliares (o cirurgião vascular também pode realizar exames subsidiários de imagem)

A ultrassonografia com Doppler é um exame não invasivo de fácil realização, muito útil na detecção das alterações nos sistemas arteriais e venosos em membros inferiores e superiores e também no sistema carotídeo.

  • Ecodoppler arterial e venoso (Ultrassom)

Tratamentos:

O laser vem ocupando espaço cada vez maior no tratamento das varizes, tornando-os menos invasivo.

Cirurgia convencional / aberta

  • Cirurgia endovascular minimamente invasiva, Angiorradiologia, Radiologia Intervencionista
  • Laser

O cirurgião vascular também pode realizar diversos tratamentos que fazem interface com outras especialidades como:

Tags: angiorradiologiaendovascularangiologiaVascularvasinhosvazinhosaneurisma
Categories: Medical

Estenose das artérias carótidas

Cirurgia Vascular - Sat, 01/26/2019 - 21:08

Estenose da Artéria Carótida

Estenose da artéria carótida é um estreitamento das grandes artérias em ambos os lados do pescoço que levam o sangue para a cabeça, o rosto e o cérebro. Este estreitamento é geralmente o resultado de um acúmulo de placa calcificada dentro das artérias, uma condição chamada de aterosclerose. A estenose pode piorar com o tempo até bloquear completamente a artéria, ou desprender pequenos fragmentos que podem levar à um acidente vascular cerebral (derrame).

Seu médico pode solicitar um ultrassom de carótidas (ecodoppler), TC angiografia (AngioTC), angiografia de ressonância magnética (AngioRM) ou angiografia cervical e cerebral para determinar a presença e a localização da estenose. O tratamento para melhorar ou restaurar o fluxo sanguíneo pode incluir angioplastia e implante de stent vascular ou, em casos graves, cirurgia.

 

O que é estenose da artéria carótida?

Estenose da artéria carótida é um estreitamento nas artérias grandes localizadas em cada lado do pescoço que levam o sangue para a cabeça, o rosto e o cérebro. O estreitamento geralmente resulta da aterosclerose, ou acúmulo de placa no interior das artérias. Ao longo do tempo, a estenose pode avançar para o bloqueio completo da artéria.

Fatores de risco para estenose da artéria carótida incluem idade, tabagismo, hipertensão arterial, diabetes, obesidade e estilo de vida inativo.

Algumas pessoas com estenose da artéria carótida podem sentir tontura, visão turva e desmaio, que podem ser sinais de que o cérebro não está recebendo sangue e oxigênio suficiente. Em muitos casos, o primeiro sintoma é um ataque isquêmico transitório (AIT) ou um derrame porque um pequeno coágulo pode se formar na área do vaso que é afetado pela aterosclerose. Quando um pequeno coágulo se torna desprende, pode viajar para o cérebro e tapar uma artéria menor que um pedaço específico do cérebro depende para o seu funcionamento e, em última análise, sobrevivência. Os sintomas de um AIT e derrames são semelhantes: paralisia ou dormência de um lado do corpo, visão turva, dor de cabeça, problemas de fala e dificuldade em responder aos outros. O AIT é geralmente breve e não deixa nenhum dano duradouro; é devido a uma pequena e temporária oclusão de uma pequena artéria, mas muitas vezes é um sinal de aviso. Um acidente vascular cerebral é frequentemente associado com a morte de uma parte do cérebro devido à perda de seu suprimento de sangue e pode resultar em incapacidade grave ou morte.

Como a estenose da artéria carótida é avaliada?

Estenose da artéria carótida, por vezes, provoca um som anormal, um ruído ou sopro, na artéria que pode ser ouvida com um estetoscópio. Exames de imagem para diagnosticar, localizar e medir a estenose incluem:

  • Ultrassom de carótidas (incluindo ultrassom Doppler): este teste utiliza ondas sonoras para criar imagens em tempo real das artérias e localizar bloqueios. O Doppler é uma técnica de ultrassom especial que pode detectar áreas de fluxo de sangue restringido na artéria.
  • Angiografia por Tomografia Computadorizada (CTA): CTA usa um scanner TC para produzir visualizações detalhadas das artérias em qualquer lugar no corpo – neste caso, no pescoço. O teste é particularmente útil para pacientes com marcapassos ou stents.
  • Angiografia de ressonância magnética (ARM): este teste não-invasivo dá informações semelhantes ao CTA, sem o uso de radiação ionizante.
  • Angiografia cerebral: Também conhecida como angiografia de subtração digital intra-arterial (IADSA), a angiografia cerebral é um teste minimamente invasivo em que um cateter é guiado através de uma artéria para a área de interesse. Material de contraste é injetado através do tubo e imagens são capturadas com raios-x.

Como é tratada a estenose da artéria carótida?

Casos graves de estenose geralmente exigem endarterectomia carotídea, em que um cirurgião faz uma incisão para remover a placa de qualquer parte doente da artéria, enquanto o paciente está sob anestesia geral. Uma opção menos invasiva inclui:

  • Implante de stent e angioplastia de artéria carótida: Durante este procedimento, um cateter é enfiado através de uma incisão na virilha até o local do bloqueio, onde a ponta do balão é inflada para abrir a artéria. Um stent pode ser colocado na artéria para expandi-la e segurá-la aberta.

Leia também:

E como eu faço para decidir entre endarterectomia carotídea ou angioplastia com stent de carótida ?

 

Veja as perguntas frequentes sobre estenose nas carótidas

Tags: carótidaartériaarterialaterosclerose Select ratingGive Estenose das artérias carótidas 1/5Give Estenose das artérias carótidas 2/5Give Estenose das artérias carótidas 3/5Give Estenose das artérias carótidas 4/5Give Estenose das artérias carótidas 5/5 Sem avaliações
Categories: Medical

Estenose das artérias carótidas

Cirurgia Vascular - Sat, 01/26/2019 - 21:08

Estenose da Artéria Carótida

Estenose da artéria carótida é um estreitamento das grandes artérias em ambos os lados do pescoço que levam o sangue para a cabeça, o rosto e o cérebro. Este estreitamento é geralmente o resultado de um acúmulo de placa calcificada dentro das artérias, uma condição chamada de aterosclerose. A estenose pode piorar com o tempo até bloquear completamente a artéria, ou desprender pequenos fragmentos que podem levar à um acidente vascular cerebral (derrame).

Seu médico pode solicitar um ultrassom de carótidas (ecodoppler), TC angiografia (AngioTC), angiografia de ressonância magnética (AngioRM) ou angiografia cervical e cerebral para determinar a presença e a localização da estenose. O tratamento para melhorar ou restaurar o fluxo sanguíneo pode incluir angioplastia e implante de stent vascular ou, em casos graves, cirurgia.

 

O que é estenose da artéria carótida?

Estenose da artéria carótida é um estreitamento nas artérias grandes localizadas em cada lado do pescoço que levam o sangue para a cabeça, o rosto e o cérebro. O estreitamento geralmente resulta da aterosclerose, ou acúmulo de placa no interior das artérias. Ao longo do tempo, a estenose pode avançar para o bloqueio completo da artéria.

Fatores de risco para estenose da artéria carótida incluem idade, tabagismo, hipertensão arterial, diabetes, obesidade e estilo de vida inativo.

Algumas pessoas com estenose da artéria carótida podem sentir tontura, visão turva e desmaio, que podem ser sinais de que o cérebro não está recebendo sangue e oxigênio suficiente. Em muitos casos, o primeiro sintoma é um ataque isquêmico transitório (AIT) ou um derrame porque um pequeno coágulo pode se formar na área do vaso que é afetado pela aterosclerose. Quando um pequeno coágulo se torna desprende, pode viajar para o cérebro e tapar uma artéria menor que um pedaço específico do cérebro depende para o seu funcionamento e, em última análise, sobrevivência. Os sintomas de um AIT e derrames são semelhantes: paralisia ou dormência de um lado do corpo, visão turva, dor de cabeça, problemas de fala e dificuldade em responder aos outros. O AIT é geralmente breve e não deixa nenhum dano duradouro; é devido a uma pequena e temporária oclusão de uma pequena artéria, mas muitas vezes é um sinal de aviso. Um acidente vascular cerebral é frequentemente associado com a morte de uma parte do cérebro devido à perda de seu suprimento de sangue e pode resultar em incapacidade grave ou morte.

Como a estenose da artéria carótida é avaliada?

Estenose da artéria carótida, por vezes, provoca um som anormal, um ruído ou sopro, na artéria que pode ser ouvida com um estetoscópio. Exames de imagem para diagnosticar, localizar e medir a estenose incluem:

  • Ultrassom de carótidas (incluindo ultrassom Doppler): este teste utiliza ondas sonoras para criar imagens em tempo real das artérias e localizar bloqueios. O Doppler é uma técnica de ultrassom especial que pode detectar áreas de fluxo de sangue restringido na artéria.
  • Angiografia por Tomografia Computadorizada (CTA): CTA usa um scanner TC para produzir visualizações detalhadas das artérias em qualquer lugar no corpo – neste caso, no pescoço. O teste é particularmente útil para pacientes com marcapassos ou stents.
  • Angiografia de ressonância magnética (ARM): este teste não-invasivo dá informações semelhantes ao CTA, sem o uso de radiação ionizante.
  • Angiografia cerebral: Também conhecida como angiografia de subtração digital intra-arterial (IADSA), a angiografia cerebral é um teste minimamente invasivo em que um cateter é guiado através de uma artéria para a área de interesse. Material de contraste é injetado através do tubo e imagens são capturadas com raios-x.

Como é tratada a estenose da artéria carótida?

Casos graves de estenose geralmente exigem endarterectomia carotídea, em que um cirurgião faz uma incisão para remover a placa de qualquer parte doente da artéria, enquanto o paciente está sob anestesia geral. Uma opção menos invasiva inclui:

  • Implante de stent e angioplastia de artéria carótida: Durante este procedimento, um cateter é enfiado através de uma incisão na virilha até o local do bloqueio, onde a ponta do balão é inflada para abrir a artéria. Um stent pode ser colocado na artéria para expandi-la e segurá-la aberta.

Leia também:

E como eu faço para decidir entre endarterectomia carotídea ou angioplastia com stent de carótida ?

 

Veja as perguntas frequentes sobre estenose nas carótidas

Tags: carótidaartériaarterialaterosclerose Select ratingGive Estenose das artérias carótidas 1/5Give Estenose das artérias carótidas 2/5Give Estenose das artérias carótidas 3/5Give Estenose das artérias carótidas 4/5Give Estenose das artérias carótidas 5/5 Sem avaliações
Categories: Medical

Atividade física e seu benefícios

Amato Consultório Médico - Wed, 01/23/2019 - 20:07
Exercício Físico

e o coração

Os benefícios do exercício físico vão muito além do condicionamento cardio pulmonar e desenvolvimento de massa muscular, ocorre um efeito psicológico e social altamente eficaz. Praticar esporte ou exercitar-se significa reduzir a depressão, a ansiedade e as perturbações neurovegetativas, além de manter o peso, a pressão arterial e o colesterol dentro dos níveis da normalidade.
A capacidade física fica maior, resultando em menor esforço físico para executar determinada tarefa. Há maior disposição não somente para o trabalho, como também para o lazer; maior resistência para as doenças de um modo geral. Isso leva a um agradável bem-estar, maior autoconfiança e uma saudável alegria de viver.
Quem consegue incluir a atividade física entre seus hábitos pessoais, com certeza está evitando diversos problemas consequentes ao sedentarismo da vida moderna e poderá usufruir as vantagens proporcionadas pelo progresso, com maior qualidade de vida.
Todos os órgãos da economia humana têm seu comportamento alterado, em maior ou menor intensidade, pelo exercício ou pela imobilidade.
O exercício físico é um excelente remédio. Não só para reduzir risco de doenças como também para ajudar pacientes em reabilitação. Quem está em tratamento cardíaco, vascular, pulmonar, neurológico ou ortopédico, por exemplo, tem na atividade física um eficiente meio de curar-se mais depressa.
Claro que pacientes devem seguir orientação médica antes de iniciar qualquer programa de atividade física. E quem é hipertenso ou tem problemas no coração precisa realizar exames complementares, que fornecerão as informações necessárias para a continuidade segura dos exercícios.
Durante o exercício, a pressão arterial e a freqüência dos batimentos cardíacos aumentam. Isso é natural, pois a atividade exige maior oxigenação do organismo. Existem porém níveis perigosos de freqüência cardíaca. São perigosos porque pode ocorrer uma alteração do ritmo dos batimentos e prejuízo para a irrigação dos músculos do coração. Nesse caso ocorre a estafa do músculo cardíaco, que pode até provocar a morte.
A freqüência cardíaca não pode exceder certo limite. Acima dele é arriscado praticar exercícios.
A freqüência cardíaca varia conforme a idade e o condicionamento físico de cada um. O atleta, por exemplo, durante o repouso apresenta freqüência cardíaca muito mais baixa do que uma pessoa comum. Cada um tem sua faixa de freqüência, dentro da qual pode fazer exercício sem perigo.
É importante, portanto, que cada um tenha seu próprio programa de exercícios. O atleta necessita trabalhar numa faixa de freqüência cardíaca mais elevada enquanto indivíduos sedentários e sadios devem, de um modo geral, exercitar-se em faixas mais baixas. A medida que vão se condicionando, eventualmente podem exercitar-se com maior intensidade. O condicionamento leva um indivíduo a realizar o mesmo esforço físico, cada vez mais facilmente.
Classificação dos exercícios
Aeróbico ou aeróbio – é aquele que gasta oxigênio para produção de energia, diz-se das atividades isotônicas, aquelas em que o indivíduo “teoricamente” se desloca. Essas atividades melhoram a aptidão cardiopulmonar.
Anaeróbico ou Anaeróbio – é aquele que utiliza outra fonte energética, a do ácido lático, e diz-se das atividades isométricas àquelas em que teoricamente o indivíduo não sai do lugar. Estas hipertrofiam a massa muscular. Esse tipo de atividade aumenta muito a pressão arterial e dependendo da intensidade, às vezes pode ser contra-indicada para hipertensos.
Todos os exercícios, na realidade são mistos, sendo um pouco mais aeróbicos ou anaeróbios.
Um programa de exercícios, deve ser completo, tendo uma fase de alongamento, outra predominantemente aeróbica, em seguida outra mais anaeróbia e finalmente um relaxamento.
Atualmente, existe uma infinidade de modalidades de exercícios físicos, para todos os tipos de gosto
 
Andar - este talvez seja o “primeiro passo” para fazermos o mínimo em atividade física. Os grandes andarilhos têm vida longa. De nada precisamos para começarmos a andar a não ser termos a benção de poder andar. Para tal exercício não precisamos de local especial, de equipamentos, de aparelhagem, de instrumentos, de professor e nem mesmo de parceiro que, aliás, geralmente não falta. É atividade individual por excelência. Podemos escolher o local, a hora, a distância, o ritmo, a velocidade. Tudo isso a nossa maneira e vontade. Enquanto não estabelecemos o programa que faremos “vamos andando” até que o encontremos a modalidade que traga prazer associado.
Existem diversas formas de atividade física e com certeza o mínimo que se faça é bem melhor do que não fazer nada
Aí vão algumas sugestões: subir e descer escada, dançar, nadar, hidroginastica,  pular corda, patinar, pedalar, eliptico ou step, remar, esquiar, diversas modalidades de aulas que cada academia dá um nome diferente. A yoga e o pilates, também tem sua contribuição aeróbica, apesar de ser em menor intensidade. Assim como diversos esportes como futebol, tênis, vôlei e outros que exigem treinamento físico concomitante.
Perigo no fim de semana
É importante ressaltar também que não existe “poupança física”. Não adianta ser um esportista de fim de semana. Isso não acumula ganhos nem rende juros para os outros dias em que não se faz nada. Pior: é muito perigoso.
Também é arriscado recomeçar uma prática esportiva depois de um longo período de inatividade. Mesmo que você tenha sido um campeão no passado, lembre-se: seu físico não é mais o mesmo. É bom ser cuidadoso, prudente e não abusar, para não correr risco de vida.
 
Artigo publicado primeiramente em Cardiologia.pro pela Dra. Marisa Amato.

CardiologiacoraçãoO que você acha deste artigo?:  5 Average: 5 (1 vote)
Categories: Medical

Fertilização in Vitro por ICSI

Fertilidade - Tue, 01/22/2019 - 07:59

Qual o custo de uma FIV/ICSI? O que é a FIV ICSI? Como é feita? Tem mais chance de gêmeos?

Micro Manipulação de Gametas

é introduzido o espermatozóide dentro do óvulo com uma agulha mais fina que o diâmetro de um fio de cabelo humano

ICSI significa Intra Citoplasmatic Sperm Inject – Micro Manipulação de Gametas. A técnica faz uso de microscópio e micromanipuladores, introduzindo o espermatozóide dentro do óvulo com uma agulha sete ou mais vezes mais fina que o diâmetro de um fio de cabelo humano. Isso tudo é uma complementação da própria técnica de FIV. Atualmente é utilizado nos casos de óvulos com zona pelúcida “enrijecida” (mulher > 40). 

O espermatozóide que vai fertilizar o óvulo é selecionado com uma micro agulha e depois é injetado dentro do óvulo.

Esta técnica é utilizada quando existem alterações na quantidade, na motilidade ou na forma dos espermatozóides, o que poderia impedir sua entrada no óvulo de maneira natural. Também se utiliza esta técnica quando o homem apresenta azoospermia e os espermatozóides devem ser recuperados por coleta alternativa. Também se utiliza esta técnica em pacientes com vasectomia.

A paciente recebe medicações que vão estimular o crescimento dos folículos ovarianos. Os ovários são avaliados periodicamente até os folículos apresentarem tamanho adequado para agendar o dia da fertilização. Ao final da indução da ovulação, é administrada uma medicação que vai terminar de amadurecer os óvulos e aproximadamente 35hs após este procedimento é agendada a aspiração dos óvulos (punção folicular).

A punção folicular é realizada sob sedação (anestesia). O médico utiliza o ultrassom com uma agulha e aspira os folículos ovarianos via transvaginal. Os óvulos são encontrados dentro do líquido aspirado. No mesmo dia, o homem colhe o sêmen através da masturbação. Após algumas horas, o casal é liberado.

No laboratório, o óvulo é injetado com uma microagulha com ajuda de um equipamento especial (micromanipulador). Após dois ou três dias, em alguns casos até cinco dias, a paciente retorna para transferência embrionária. A transferência não requer anestesia. Os embriões são colocados dentro do útero com um catéter especial com ou sem auxílio de uma ultra-sonografia pélvica via supra-púbica. Após 12 a 14 dias já se pode saber o resultado através do teste de gravidez (beta-hCG).

A chance de sucesso é semelhante à FIV e a taxa de gravidez por tentativa depende da idade da mulher e do diagnóstico do casal.

 

Qual o custo de uma FIV ICSI? Na avaliação inicial o médico pode informar valores atualizados que compreendem os medicamentos, o laboratório, os exames, o procedimento e os profissionais envolvidos.

 

Aonde fazer fertilização in vitro com icsi? Marque consulta com Dra Juliana Amato. Tel (11) 5053-2222

Autor: Dra. Juliana Amato

Fonte: Amato, JLS. Em Busca Da Fertilidade. 2014

 

Leia também:

icsitratamentotécnicaLocal do corpo: ÚteroCuidados pós procedimento: Repouso relativo e uso hormonal (indicado pelo médico)Preparo: Preparo hormonal e monitorização de cicloTipo de procedimento: NoninvasiveStatus: Bem definido
Categories: Medical

Fertilização in vitro (FIV/IVF)

Fertilidade - Tue, 01/22/2019 - 07:54

O que é a fertilização in vitro (FIV)? Em quais situações o método é aplicável? A FIV pode ajudar a engravidar?

  • Clínica de Reprodução Humana em São Paulo

    Clínica de Fertilização em São Paulo

  • Fertilização in vitro

    reprodução humana, bebê de proveta

  • Como é feita a fertilização in vitro no laboratório

    Clínica de Reprodução Humana

  • Pipetagem no laboratório de fertilização

    Clínica de Fertilização in vitro

A Fertilização in vitro (FIV) é um processo em que as células ovarianas são fertilizadas pelo espermatozoide fora do corpo, in vitro. In vitro vem do Latim e significa em vidro, o que, no caso, se refere a um tubo de teste ou prato de Petri, daqueles usados em ciências.
FIV é um tratamento para a infertilidade que envolve controle hormonal do processo ovulatório, removendo o óvulo dos ovários femininos e permitindo que os espermatozoides fertilizem-o em um meio fluido (in vitro). O óvulo fertilizado é então transferido ao útero da paciente com a intenção de estabelecer uma gravidez de sucesso.
Usualmente, o tratamento da fertilização in vitro é preconizado uma vez que os outros tratamentos tenham falhado, seguidos meses de tentativas de engravidar sem sucesso.

O primeiro nascimento de sucesso de um “bebê de tubo de ensaio”, Louise Brown, ocorreu em 1978. Robert G. Edwards, o médico que desenvolveu o tratamento, foi premiado com o Nobel em Fisiologia ou Medicina em 2010.

 

A fertilização “in vitro”, também conhecida como bebê de proveta, é a união do espermatozóide com o óvulo no laboratório, formando o embrião que posteriormente será transferido para a cavidade uterina.

A paciente recebe medicações que vão estimular o crescimento dos folículos ovarianos. Os ovários são avaliados periodicamente até os folículos apresentarem tamanho adequado para agendar o dia da fertilização. Ao final da indução da ovulação, é administrada uma medicação que vai terminar de amadurecer os óvulos e aproximadamente 35hs após este procedimento é agendada a aspiração dos óvulos (punção folicular).

A punção folicular é realizada sob sedação (anestesia). O médico utiliza o ultrassom com uma agulha e aspira os folículos ovarianos via transvaginal. Os óvulos são encontrados dentro do líquido aspirado. No mesmo dia, o homem colhe o sêmen através da masturbação. Após algumas horas, o casal é liberado.

No laboratório, os óvulos são colocados em um recipiente com os espermatozóides (FIV clássica). Após dois ou três dias, em alguns casos até cinco dias, a paciente retorna para transferência embrionária. A transferência não requer anestesia. Os embriões são colocados dentro do útero com um catéter especial com ou sem auxílio de uma ultrassonografia pélvica via supra-púbica.

Após 12 a 14 dias, já se pode saber o resultado através do teste de gravidez (beta-hCG). A taxa de gravidez por tentativa depende da idade da mulher e do diagnóstico do casal.

 

Aonde fazer fertilização in vitro? Marque consulta com Dra Juliana Amato. Tel (11) 5053-2222


Autor: Dra. Juliana Amato

Clínica de Reprodução Humana Clínica de Fertilização in vitro

Leia também:

O processo de tratamento da Fertilização in vitro

A técnica da Fertilização in vitro na reprodução humana

 

 

(function() { var _fbq = window._fbq || (window._fbq = []); if (!_fbq.loaded) { var fbds = document.createElement('script'); fbds.async = true; fbds.src = '//connect.facebook.net/en_US/fbds.js'; var s = document.getElementsByTagName('script')[0]; s.parentNode.insertBefore(fbds, s); _fbq.loaded = true; } _fbq.push(['addPixelId', '617007545111529']); })(); window._fbq = window._fbq || []; window._fbq.push(['track', 'PixelInitialized', {}]);

Fonte: Amato, JLS. Em Busca Da Fertilidade. 2014

fivfertilização in vitrotratamentotécnicainseminação vitroLocal do corpo: ÚteroCuidados pós procedimento: Repouso relativo e uso hormonal (indicado pelo médico)Preparo: Preparo hormonal e monitorização de cicloTipo de procedimento: NoninvasiveStatus: Bem definido
Categories: Medical

Inseminação intra-uterina (IIU)

Fertilidade - Tue, 01/22/2019 - 07:49

Intrauterine Insemination (IUI), Inseminação Intra Uterina (IIU), Inseminação in vitro

IIU

Inseminação Intra Uterina

A IIU - Inseminação Intra Uterina é também conhecida como IUI - Intrauterine Insemination.

 

 

 

O procedimento consiste na introdução do esperma capacitado dentro da cavidade uterina da mulher quando ocorre a ovulação. É utilizada quando o volume ou a concentração dos espermatozóides não são suficientes ou quando a mobilidade dos gametas decresce. Esta técnica também pode ser usada quando o muco cervical apresenta problemas. Em geral, neste procedimento, recomenda-se também o estímulo da ovulação na mulher como forma de potencializar os resultados. A taxa de sucesso da inseminação artificial depende muito das causas de infertilidade diagnosticadas. É essencial a permeabilidade em pelo menos uma das trompas, assim como um número mínimo de espermatozoides, para que a técnica funcione.
É um procedimento indolor realizado em consultório, ambulatorialmente, após o preparo do sêmen em laboratorio de infertilidade especializado.
É necessária a indução da ovulação por meio de medicamentos apropriados e acompanhamento ultrasonográfico frequente, onde será determinado o melhor momento para se fazer a inseminação.
No dia do procedimento, o parceiro deverá colher o material em laboratório, onde será processado, e a melhor amostra será separada para a inseminação no consultório.
A mulher não necessita de preparo especial no dia, devendo apenas comparecer na data e horários combinados.

 

 

Aonde fazer a avaliação inicial de infertilidade? Marque consulta com Dra Juliana Amato. Tel (11) 5053-2222

Leia tambem:

 

Autor: Dra. Juliana Amato

Fonte: Amato, JLS. Em Busca Da Fertilidade. 2014

inseminaçãotratamentointrauterinoinseminação vitroLocal do corpo: ÚteroCuidados pós procedimento: Repouso relativo e uso hormonal (indicado pelo médico)Preparo: Preparo do sêmen em laboratórioTipo de procedimento: PercutaneousStatus: Bem definido
Categories: Medical

Idade gestacional com a FIV

Fertilidade - Mon, 01/21/2019 - 22:45
Idade gestacional

na FIV

A gestação humana é contada em semanas, com 40 semanas sendo considerado a gestação de termo. Muitas pessoas não percebem que quando é feito a fertilização in vitro (FIV), nós não iniciamos a conta a partir do dia de transferência do embrião para o útero.

A gestação é determinada pela idade do feto, e não pelo tempo que ele está sendo carregado. Desse modo, se você está tranferindo um embrião para o seu útero, o embrião já tem uma idade calculada.

Na gestação tradicional, a idade gestacional começa a contar a partir do último dia do período mentrual. No momento da concepção a idade gestação já está próxima de 2 semanas.

Portanto, ao calcular a idade gestacional na FIV, e também na barriga de aluguel, essa idade começa a ser calculada antes, e permite um calculo muito mais preciso, pois sabe-se a data exata da ovulação, da fertilização e da concepção. Toda essa informação ajuda a calcular precisamente a idade gestacional.

No geral, tranferindo um embrião de 3 dias vai dar uma idade de gestacional de 2 semanas e 2 dias logo após sair do laboratorio. Ao transferir um embrião de 5 dias, já sai com 2 semanas e 5 dias.

Após as 2 semanas de espera para realizar o teste de gravidez, pode chegar a 5 semanas de gestação, dependendo da idade do embrião ao ser tranferido.

A idade gestacional exata será estimada no primeiro ultrassom baseado no tamanho do saco gestacional e feto.

Gravidez múltipla é mais comum na FIV, e, nesses casos, o parto frequentemente ocorre antes das 40 semanas

Calcular a idade gestacional na FIV pode ser confuso. Existem várias calculadoras online para ajudar a fazer esse calculo, mas acredite no seu especialista em reprodução humana. A nossa calculadora de idade gestacional funciona para gestações normais.

idadecalculofivO que você achou deste conteúdo?:  0 No votes yet
Categories: Medical

HIV e gestação

Fertilidade - Mon, 01/21/2019 - 22:43
HIV na gestação

como lidar

Esta informação é para você que foi diagnosticada com HIV (vírus de imunodeficiência humana) e está grávida ou planejando ter um bebê. Se você é um parceiro, parente ou amigo de alguém que está nesta situação, pode também ser útil. (Veja HIV no tratamento da infertilidade e reprodução humana)

Aqui você verá:

  • o que o HIV pode significar para você e seu bebê
  • quais são as maneiras mais eficazes de:
    • proteger o seu bebê no útero, durante o parto e nas primeiras semanas de vida
    • tratar-se durante a gravidez e trabalho de parto
  •  sobre o planejamento para a gravidez.

O que é HIV e o que isso pode significar para o meu bebê?

O HIV é um tipo de vírus chamado de retrovírus que impede o sistema imunológico do corpo de funcionar corretamente e dificulta a luta contra infecções. Se você tem o vírus, isso é reportado como sendo HIV positivo. O vírus pode ser transmitido de uma pessoa para outra através da troca de fluidos corporais, incluindo sangue, sêmen, fluídos vaginais e leite materno. Você pode passar o vírus para seu bebê através da placenta durante a gravidez, durante o nascimento e através do seu leite materno. O cuidado que você receberá visa reduzir o risco de transmitir o HIV para seu bebê. 

Que extras no pré-natal posso esperar se eu sou HIV positiva?

Cuidados especializados e verificações regulares de saúde devem ser realizados. Você deve ser cuidada por uma equipe de especialistas que inclui:

  • médico que se especializa em HIV, o infectologista
  • obstetra (médico especializado no tratamento de mulheres grávidas)
  • pediatra (médico especializado na saúde da criança).

Você e seu bebê deverão ser monitorados durante a gravidez, e isto pode incluir exames de ultra-som extras.

A quantidade de vírus (carga viral) e anticorpos para HIV (CD4) em seu sangue será monitorada, assim como serão os níveis de drogas se você estiver em tratamento.

Infecção e vacinação

Se você é HIV positiva, é importante saber se você é imune a certas infecções. Como outras mulheres grávidas, você será recomendada a fazer exames no início da gravidez para hepatite B, rubéola e sífilis. No entanto, você também será indicada a exames para hepatite C, varicela-zoster/catapora, sarampo e toxoplasmose.

Mulheres grávidas são indicadas para a vacina contra coqueluche. Você também será recomendada a ter vacinação para hepatite B (se você não está imune), para vacina da gripe e pneumococo (nos meses de Outono/Inverno). Estas são seguras na gravidez.

As vacinas para a varicela, sarampo, caxumba e rubéola não são seguras na gravidez e, portanto, serão oferecidas após o nascimento do seu bebê, se você não está imune.

Se você estiver recebendo tratamento para o HIV para a sua própria saúde, você pode ser recomendada a tomar antibióticos para reduzir as chances de desenvolver uma pneumonia.

Você deve ser indicada a usar um cotonete para infecções vaginais logo cedo na gravidez e depois novamente em torno de 28 semanas de sua gravidez. Se o cotonete mostrar infecção, deve ser oferecido tratamento para reduzir o risco de passar o HIV para seu bebê.

Síndrome de Down

Todas as mulheres são indicadas para um exame de triagem para a síndrome de Down. Se seu exame mostra que está em risco aumentado de ter um bebê com síndrome de Down, você será encaminhada para uma unidade de medicina fetal para discutir suas opções adicionais. Há um risco de que os testes possam transferir HIV para seu bebê. Isto será discutido com você totalmente.

Diabetes gestacional

Se estiver tomando certos medicamentos para o HIV no início da gravidez, você pode ser aconselhada a fazer um exame para diabetes gestacional (diabetes que é diagnosticada pela primeira vez na gravidez) entre 24 e 28 semanas. 

Posso reduzir a chance de passar o HIV para meu bebê?

Sim. Você pode reduzir significativamente o risco de passar HIV para seu bebê se você:

  • tiver tratando com drogas anti-retrovirais (veja abaixo)
  • evitar o aleitamento materno e optar por alimentar seu bebê com leite em fórmula
  • tiver uma cesariana, se sua equipe especializada recomendar.

Devo ter tratamento anti-retroviral na gravidez?

Sim. As drogas usadas para tratar a infecção pelo HIV são conhecidas como anti-retrovirais. Às vezes três ou mais tipos são usados juntos, o que é conhecido como terapia anti-retroviral altamente ativa (HAART). Seus médicos lhe oferecerão anti-retrovirais durante a gravidez e no nascimento de seu bebê (se já não estiver a tomá-los), para ajudar a reduzir a chance de passar o vírus para seu bebê. O tratamento anti-retroviral também pode ser benéfico para a sua saúde.

Se você não tiver tratamento anti-retroviral, há um risco muito maior de que você vá passar o vírus para seu bebê.

Tratamento anti-retroviral é seguro na gravidez?

Para você

Medicamentos anti-retrovirais são geralmente seguros, mas eles às vezes podem ter efeitos colaterais, incluindo problemas de estômago e digestivos, diabetes, erupções cutâneas, cansaço extremo, alta temperatura e falta de ar. É importante que informe o seu médico se você experimentar qualquer sintoma incomum enquanto estiver grávida.

Retrovirais às vezes também podem causar problemas hepáticos. Se você iniciou o HAART na gravidez, você deve fazer regularmente exames de sangue para verificar se seu fígado está funcionando normalmente. Algumas drogas podem reduzir os níveis de ferro no sangue (anemia) e você pode ser aconselhada a ter suplementos de ferro.

Você fica mais propensa a entrar em trabalho de parto mais cedo, se estiver tomando o HAART.

Para seu bebê

O tratamento anti-retroviral em si não parece ser prejudicial para os bebês. Não tomar a medicação é muito mais provável que seja prejudicial para seu bebê, porque o risco de transmitir o HIV para seu bebê será muito maior.

Que tratamento anti-retroviral devo fazer?

Você será recomendada a tomar os medicamentos, considerados o melhores para você. Também será informado quando deve começar e parar de tomá-los. 

Você já está tomando anti-retrovirais

Seus médicos recomendarão que você tome HAART durante a gravidez e depois de ter tido seu bebê. Se você esta tomado antes da gravidez, você não deve parar a medicação.

Você não está tomando anti-retrovirais

Deve ser indicado o tratamento para parar de passar o vírus para seu bebê. O tratamento usual é o HAART, conforme descrito acima. O tratamento com uma única droga anti-retroviral (zidovudina) pode considerar-se se sua carga viral for inferior a 10000, sua contagem de CD4 é de mais de 350 e se estiver preparada para ter uma cesariana.

Seu médico geralmente irá recomendar que você comece o tratamento entre 14 e 24 semanas de gravidez e continue até seu bebê nascer.

Qual é a melhor maneira de dar a luz ao meu bebê?

Sua equipe irá discutir com você a melhor maneira de dar à luz. O tratamento que você está tomando, sua carga viral e CD4 contam com 36 semanas e as gestações anteriores serão levadas em conta.

  • Você deve ser capaz de ter um parto vaginal, mesmo se você teve uma cesariana antes, se você estiver tomando o HAART, e tiver carga viral inferior a 50 e uma contagem de CD4 com mais de 350.
  • Se estiver tomando HAART e sua carga viral está entre 50 e 399, seus médicos podem recomendar uma cesariana, geralmente com 38 semanas. Isso vai depender do padrão de sua carga viral, há quanto tempo você esteve em tratamento e seus desejos.
  • Será informada que é melhor uma cesariana, geralmente com 38 semanas, se:
    • estiver tomando o HAART e tem uma carga viral de 400 ou mais
    • estiver tomando zidovudina sozinha
    • o vírus da hepatite C for detectado em seu sangue.

Se os seus médicos aconselham cesariana planejada, mas você quer um parto vaginal, sua vontade pode ser respeitada. No entanto, como com todas as mulheres, se há preocupações sobre você e seu bebê durante o trabalho de parto, pode ser necessária uma cesariana de emergência.

Para qualquer método que você escolher, uma amostra de seu sangue deve ser tomada no momento do nascimento para verificar a quantidade de vírus em seu sangue.

O que acontece se eu tenho uma cesariana planejada?

Se você estiver tomando o HAART, deve continuar a tomar como recomendado pelo seu médico.

Deve ser prescrita a zidovudina através de um soro, que será iniciado algumas horas antes de sua cesariana. Isso deve continuar até que seu bebê nasça e o cordão umbilical tenha sido fixado.

Porque é provável que você tenha sua cesariana antes de 39 semanas, deve ser indicada a um curso de duas a quatro injeções de corticoide durante um período de 48 horas para diminuir a chance de problemas respiratórios para o seu bebê. V

Se suas contrações começarem antes da sua cesariana planejada, vá direto para o hospital. A cesariana será feita assim que possível. Ocasionalmente, o trabalho de parto pode estar muito avançado e pode ser mais seguro para você e seu bebê ter um parto vaginal.

O que acontece se eu tiver um parto vaginal planejado?

Você deve receber tratamento HAART durante todo seu trabalho de parto. Quanto antes a sua bolsa estourar durante o trabalho de parto, maior o risco de transmitir o HIV para seu bebê.

Deve ser prescrita para uma infusão de zidovudina se sua bolsa rompeu ou se há o conhecimento de que tem uma carga viral muito alta.

Se passar da sua data de nascimento programada e sua carga viral não puder ser detectada, é possível ter o trabalho de parto iniciado (induzido).

E se minha bolsa estourar mais cedo?

Depois de 37 semanas

  • Parto vaginal planejado

Se sua bolsa estourar antes de você ir para o trabalho de parto e sua carga viral está a menos de 50, pode ser possível induzir o trabalho de parto com um soro para começar as contrações. Isto será iniciado imediatamente.

  • Cesariana planejada

Se sua bolsa estourar antes de sua cesariana planejada, vá direto para o hospital.

A cesariana será feita logo que possível.

 

Antes de 37 semanas

Se sua bolsa estourar antes de iniciarem suas contrações, sua equipe irá avaliar se seria melhor para seu bebê nascer, em vez de esperar. Isso vai depender de quão longe você está em sua gravidez e seu risco individual de transmitir o HIV para o seu bebê. 

Qual tratamento o meu bebê vai precisar após o nascimento?

Seu bebê deve receber medicamentos anti-retrovirais dentro de 4 horas e este deve ser continuado até que ele ou ela esteja entre 4 e 6 semanas de idade.

Seu bebê será testado para o HIV nos primeiros 2 dias, na alta do hospital, com 6 semanas e com 12 semanas. Se estes exames derem negativo e você não estiver amamentando, seu bebê não tem HIV. Será feito mais um exame para confirmar quando seu bebê tiver 18 meses de idade.

Qual é a melhor maneira de alimentar meu bebê?

Você pode reduzir significativamente o risco de transmitir o HIV, se você não amamentar e não usar seu próprio leite materno. Este é o meio mais importante de reduzir o risco do seu bebê. Se você é HIV positiva, é mais seguro usar leite de fórmula.

Ninguém será informado sobre meu status de HIV?

Sua equipe de saúde precisa estar ciente de que você é HIV positiva, para que possam fornecer o melhor cuidado possível para você e seu bebê. Essa informação constará em seu prontuário médico, de acesso restrito.

Se você ainda não disse a seu parceiro sexual que você é HIV positiva, a equipe irá incentivar e apoiar você para fazê-lo, a fim de reduzir o risco de transmissão.

Eles não devem contar a ninguém sobre seu estado de HIV sem sua permissão. Devem respeitar o seu direito à confidencialidade e usar do cuidado e sensibilidade, onde poderiam ser divulgadas informações sobre você para o seu parceiro ou parentes.

A única exceção é se você está colocando seu parceiro em risco. Nestas circunstâncias, os profissionais de saúde podem dizer ao parceiro sexual sobre seu estado de HIV. Mas sua equipe de saúde deve discutir isso com você primeiro. Eles devem ponderar os riscos envolvidos para você (por exemplo, violência e/ou abuso) antes de decidirem o que fazer.

O que devo fazer se eu estou planejando ter um bebê?

  • Se você ou seu parceiro é HIV positivo, deve ser informada sobre as práticas de sexo mais seguras e o uso de preservativos para prevenir a transmissão do HIV.
  • Você deve ser encaminhada para aconselhamento pré-gestacional e para conselhos sobre opções de concepção com uma equipe, que deve incluir um especialista em fertilidade e um especialista em HIV.
  • Você será aconselhada a esperar até que sua carga viral esteja baixa e para garantir que qualquer infecção seja tratada.
  • Todas as mulheres são aconselhadas a tomar ácido fólico (400 microgramas diários) por 3 meses antes de ficarem grávidas. Se estiver a tomar cotrimoxazol, você será aconselhada a tomar a dose mais elevada de ácido fólico (5 mg por dia).
  • Se o parceiro masculino for HIV positivo:
    • o risco de transmitir o HIV para a mulher é quase zero se ele estiver tomando o HAART, teve uma carga viral de menos de 50 por pelo menos 6 meses e não tem outras infecções e tem relação desprotegida apenas na época fértil do ciclo da mulher; nesta situação, a lavagem de esperma não pode reduzir o risco de transmissão do HIV e pode realmente reduzir a probabilidade de engravidar
    • você pode desejar considerar a concepção assistida com lavagem de esperma ou o esperma de um doador, se há uma grande chance de transmissão do HIV.

Há mais alguma coisa que eu deva saber?

Se você é HIV positiva, você deve obter aconselhamento contraceptivo de uma equipe especializada depois de ter tido seu bebê.

Mulheres com infecção pelo HIV são recomendadas a fazer esfregaços cervicovaginais anuais (papanicolau).

HIVgestaçãoO que você achou deste conteúdo?:  0 No votes yet
Categories: Medical

Inseminação de Doador

Fertilidade - Mon, 01/21/2019 - 22:42
Inseminação

de doador

Isso envolve usar sêmen doado por outro homem. Como um casal, vocês podem decidir considerar inseminação de doador como uma alternativa para a injeção intracitoplasmática de espermatozoides (ICSI). Seu médico deve oferecer ambas as opções e explicar as vantagens e desvantagens de cada um. Sêmen doado pode ser usado para FIV se necessário.

Você pode ser indicado à inseminação de doador, se:

  • Há poucos espermatozoides no seu sêmen ou eles são de baixa qualidade e você decidiu fazer ao invés de realizar a ICSI ou
  • Você não tem espermatozoides no seu sêmen.

Você também pode ser indicado para inseminação de doador se tiver doença genética que poderia ser transmitida à criança, uma doença infecciosa que poderia ser transmitida à mulher ou à criança, ou se você e os grupos sanguíneos da sua parceira não são compatíveis.

Se você está considerando a inseminação de doador deve ser encaminhado para aconselhamento sobre as implicações para você e para as crianças que você puder ter. Todos os potenciais doadores de sêmen também devem ser indicados para aconselhamento independente para ajudá-los a pensar sobre as implicações da doação para si, seus próprios filhos e quaisquer crianças que possam ter como resultado da doação de sêmen.

Para as mulheres, antes de iniciar o tratamento com a inseminação do doador deve ser oferecido testes para confirmar que você está ovulando. Deve ser indicado exames para verificar suas trompas de falópio se houver algo no seu histórico médico que sugira que elas possam estar danificadas.

Se você estiver ovulando regularmente, deve ser indicada pelo menos 6 ciclos de inseminação de doador. Para reduzir o risco de gravidez múltipla pode ser indicada para uma inseminação 'não estimulada', que significa que você não receberá medicamentos de fertilidade para estimular seus ovários durante o tratamento. Você deve fazer inseminação intra-uterina em vez de inseminação intra-cervical porque isso pode dar uma chance maior de engravidar.

Se você não tiver engravidado após 3 ciclos de inseminação de doador, pode ser indicado exames para verificar suas trompas de falópio, se estes não tiverem sido feitos antes.

tratamentoinseminaçãoinseminação vitroO que você achou deste conteúdo?:  0 No votes yet
Categories: Medical

Qual a relação entre obesidade e infertilidade?

Fertilidade - Mon, 01/21/2019 - 22:41
Perder peso para engravidar

Perder peso para engravidar

A obesidade é medida na prática com uma conta que usa o valor do peso e da altura. Essa conta representa um índice chamado índice de massa corporal ou IMC, de modo que quanto mais alto o índice mais acima do peso ideal a pessoa está. Esse excesso de peso já está associado aos mais diversos problemas de saúde, sendo considerado, por si só, uma condição que merece tratamento. Inúmeras pesquisas são feitas atualmente para compreender qual a relação entre a obesidade e a infertilidade. Será que, como a maioria dos aspectos da saúde humana, a capacidade reprodutiva também é negativamente influenciada por ela?
Um estudo* recentemente publicado na revista “Obstetrics and Gynecology Clinics of North America” procurou compreender melhor essa possível associação. Nele foi explicado que o tecido adiposo produz substâncias chamadas adipocinas, que influenciam a boa comunicação entre as células do corpo. Com essa comunicação dificultada, fica mais complicado executar corretamente as suas funções; essa influência pode inclusive ser exercida sobre as regiões do cérebro responsáveis pelo controle do ciclo ovulatório.
O tecido adiposo em excesso é considerado tóxico para o organismo porque também permite que a gordura seja estocada em diferentes células e tecidos, inclusive nos óvulos, afetando a sua qualidade.
O ciclo menstrual irregular, que pode estar presente em mulheres obesas, reflete o controle desregulado do organismo sobre a ovulação, mas parece que mesmo aquelas com o ciclo regular demoram mais para conseguir engravidar, assim como as chances de abortamento nessas mulheres também parecem ser maiores.
O aconselhamento por médico especialista antes da gravidez é muito importante para orientar a paciente obesa em relação a maneiras de como promover a sua capacidade reprodutiva, inclusive para aquelas que irão se submeter a tratamentos para infertilidade. Embora a perda de peso melhore de modo geral a função dos ovários e o desfecho da gravidez, o tratamento dessas pacientes deve ser individualizado, isto é, “cada caso é um caso”.

 

Veja também: Lipedema

*Obstet Gynecol Clin N Am 39 (2012) 479–493

Fonte: Amato, JLS. Em Busca Da Fertilidade. 2014

obesidadetratamentoO que você achou deste conteúdo?:  5 Average: 5 (1 vote)
Categories: Medical

Tratamento de Varizes

Cirurgia Vascular - Sun, 01/20/2019 - 18:28



 

Olá, eu sou o Dr. Alexandre Amato e hoje quero acabar com todos os mitos que existem quando o assunto é varizes.

Vou te contar qual é o segredo para que você possa ter novamente uma perna lisa, bonita e livre das varizes incômodas. Tudo isso de uma forma segura, e livre de desconfortos.

Então, assista ao vídeo até o final se quiser descobrir tudo sobre varizes e como tratá-las.

Pelo que posso perceber dentro da nossa clínica ainda existe muita desinformação, muitas soluções supostamente milagrosas, mas com nenhuma comprovação cientifica.

E isso faz com que muitas mulheres sofram por mais tempo com as varizes, mesmo hoje, já existindo ótimas soluções.

Bom, mas quem sou eu para falar sobre esse assunto?

Eu sou médico, cirurgião vascular e endovascular, professor universitário, autor de livros e tive alguns artigos importantes sendo publicados em revistas internacionais.

Atualmente sou diretor administrativo do Amato - Instituto de Medicina Avançada.

Nós estamos há mais de 35 anos atendendo no Amato Consultório Médico, mas nossa história na medicina é muito anterior: são 4 gerações de médicos.

Nós estivemos presentes no início das especialidades médicas, e podemos dizer que nossa história se confunde com a história da medicina no Brasil.

Pois bem, dentro do Instituto Amato um dos vários procedimentos que realizamos há décadas é o combate às varizes.

Esse tipo de tratamento é cada vez mais procurado, principalmente, por aquelas mulheres que já tentaram de tudo. Receitas, chás, cremes e tantos outros métodos estéticos que não tratam de verdade o problema.

O fato é que não há nenhuma comprovação a respeito dessas técnicas alternativas e, mais do que isso, algumas delas podem até prejudicar o estado das varizes.

Muitas mulheres também já tentaram outros tratamentos, pagaram caro, e não tiveram resultados. Na maioria das vezes, esses procedimentos foram feitos por profissionais que nem eram da área da saúde.

É preciso, antes de tudo, entender o que realmente são as varizes e, a partir disso, definir como tratá-las.

As varizes são dilatações ou tortuosidades das veias do corpo humano. As mais comuns são as varizes dos membros inferiores

Como sabemos elas são incomodas, prejudicam a sua aparência e podem também ser prejudiciais a sua saúde, se não tratadas corretamente. Em alguns casos, as varizes podem evoluir para a formação de coágulos nas veias das pernas, a temida trombose.

Estimativas mostram que cerca de 40% das mulheres sofrem com a doença.

Boa parte delas acaba enfrentando uma série de dilemas.

Muitas acabam tendo vergonha e insegurança para colocar um shorts ou uma saia, por exemplo.

E, quando chega o verão, a situação se torna ainda pior. Por sentir vergonha muitas acabam usando calça comprida mesmo nos dias mais quentes.

Para elas usar um shorts ou vestido é algo possível apenas dentro de casa.

Além da insegurança, e da vergonha, as varizes também podem trazer muitas dores nas pernas, muito desconforto e coceira.

Mas o pior de tudo isso é ter a sensação de que o seu problema não tem solução..

Quem tem varizes acaba ouvindo opiniões e conselhos de todo mundo. E esses conselhos, em boa parte das vezes, são prejudiciais.

As pessoas não fazem por mal, mas a desinformação acaba atrapalhando você de ter um tratamento adequado.

Muita gente tem medo de fazer a cirurgia, da anestesia, do pós-operatório, das varizes voltarem depois, etc.

Só que nada disso hoje é motivo de preocupação.

A medicina já possui uma série de procedimentos que são muito eficientes, que tratam problema de verdade e sem trazer complicações para a paciente.

Tratar as varizes, não só é possível, como vai lhe trazer muitos benefícios  principalmente com relação a qualidade de vida.

Um estudo publicado no Journal of Vascular Surgery mostrou que após o tratamento foi possível perceber uma melhora na qualidade de vida dos pacientes em apenas 6 semanas.

O tratamento bem executado acaba com o desconforto, eleva a autoestima da mulher e a faz sentir melhor de uma maneira geral.

Ou seja, um método muitas vezes simples pode, em poucas semanas, acabar com o sofrimento de uma vida inteira.

Não há nada melhor do que se sentir bonita, sem constrangimento em mostrar as pernas em público e usando a roupa que quiser.

E o primeiro passo para resolver o problema é procurar um profissional adequado que vai conseguir te orientar em busca da melhor solução.

O mais recomendado é que você procure um cirurgião vascular já que as varizes são veias e, portanto, precisam ser cuidadas por quem entende do assunto.

Existem vários procedimentos para tratar varizes. Para cada caso há uma solução mais eficiente.

Para o tratamento dos vasinhos menores como reticulares, veias tributarias e colaterais, a microcirurgia e a técnica de Müller podem ser realizadas.

Bom, mas do que se trata exatamente a microcirurgia?

A microcirurgia é uma modificação da técnica de Müller e consiste em fazer pequenos furinhos e, através deles, retirar as veias.

Para você ter uma ideia como esses furos são realmente pequenos, eles não precisam nem de pontos.

Essa microcirurgia pode ser realizada com uma anestesia local sem a necessidade de hospital ou de uma anestesia geral.

Em outros casos, onde ocorre a insuficiência venosa de veias maiores como safena, safena magna, safena parva ou safenas acessórias, o mais indicado é a cirurgia a laser ou por radiofrequência.

Antigamente era feito outra cirurgia, em que se colocava um fio de aço para arrancar essa veia, mas hoje de acordo com as grandes diretrizes internacionais, essa já não é mais a solução primaria para o problema de varizes.

As técnicas termo ablativas, que é como chamamos o laser, e a radiofrequência, têm um resultado melhor e são as mais indicadas atualmente.

Ambas causam a oclusão da veia pelo calor, seja pela energia luminosa do laser ou do calor usado pela energia de micro-ondas, no caso da radiofrequência.

Então, quando falamos em tratamento de varizes, cada caso pede uma solução adequada e que vai trazer os melhores resultados.

E, somente sendo atendida por um profissional capacitado, que entenda do assunto, é que você poderá ter tranquilidade e segurança de que escolheu o procedimento correto.

É exatamente esse atendimento que nós oferecemos a você aqui no Instituto Amato.

Estamos localizados aqui na Av. Brasil, 2283, em São Paulo, SP. O Lugar é de fácil acesso, com metrô próximo, no Cruzamento da Rebouças com a Av Brasil.

A consulta leva entre 40 minutos a 1 hora,  e pode se estender se os exames forem realizados no mesmo momento.

Nossa clínica trabalha com os melhores tratamentos e tecnologia para cuidar de você da melhor maneira possível.

O seu tratamento iniciará primeiramente com uma consulta médica com um especialista em cirurgia vascular.

A partir dessa primeira análise, faremos uma série de exames para se aprofundar mais no seu problema e entender quais são exatamente as veias que precisam ser retiradas.

Como você já sabe existem diversos tratamentos como cirurgia, microcirurgia, com laser, sem laser e as famosas aplicações, espuma, e outros.

Ao não se orientar com um profissional qualificado, você corre o risco de fazer um procedimento inadequado, que não vai cuidar do problema, que será apenas um paliativo ou que vai lhe causar desconfortos desnecessários.

Aqui no Instituto de Medicina Avançado - Amato nós trabalhamos seguindo as diretrizes nacionais e internacionais para o tratamento padrão ouro, ou seja, a melhor indicação para cada caso.

Somente com esse tipo de garantia é que você pode ter a certeza que vai ter melhor solução para o seu problema.

É por isso que indicamos que você marque uma consulta no Instituto Amato e se livre de vez das varizes.

Basta ligar para o número (11) 50532222 ou entrar em contato via Whatsapp através do (11) 944729599 e marcar a sua consulta.

Antes de encerrar essa apresentação eu gostaria, conforme prometido, acabar com alguns mitos que existem sobre o tratamento de varizes.

O primeiro mito que existe é que somente a cirurgia tradicional pode acabar com as varizes.

Bom, como já vimos, cada caso exige um tratamento diferente, mas para uma grande parte das pacientes um procedimento como a microcirurgia é mais do que suficiente para se livrar do problema de vez.

Outro fator que precisa ser esclarecido é com relação a casos de reaparecimento das varizes depois de feito algum procedimento.

Quando isso acontece é porque normalmente o procedimento utilizado não foi adequado, ou houve evolução da doença genética.

E, mesmo nos casos em que a doença volta por algum motivo, o mais recomendável é procurar um tratamento o mais rápido possível. O acumulo de varizes acaba só aumentando o trabalho que precisará ser feito depois.

Um mito também muito comum é com relação ao pós-operatório da cirurgia.

Antigamente, os procedimentos realmente traziam muitas complicações, e a paciente precisava ficar em repouso por um mês.

Só que agora a situação é completamente diferente. O pós-operatório da cirurgia é muito mais rápido, entre 2 e 7 dias.

Além disso, a paciente não necessita ficar repousando na cama e as dores nesse período praticamente não existem.

Durante a cirurgia também é tudo muito tranquilo, afinal de contas, você estará dormindo.

Outro mito muito comum é a respeito da anestesia da cirurgia. Talvez você tenha algum receio de tomar anestesia geral ou mesmo a raquianestesia ou peridural.

Para a sua tranquilidade, tanto a microcirurgia quanto a cirurgia a laser, não se utilizam mais desse tipo de anestesia.

Em nossos procedimentos a paciente recebe anestesia local e uma sedação, assim como, em um procedimento de endoscopia.

Assim, ao acordar você já estará movimentando as suas pernas normalmente.

Outro mito que se criou foi de que alguns tratamentos poderiam piorar o estado das varizes.

Veja bem, todo procedimento visa uma melhoria, mas o que ocorre em boa parte das vezes é um erro de avaliação do profissional. As varizes podem ser sintomas de outros problemas.

Então, muitos pacientes são submetidos a procedimentos inadequados e nesses casos, as varizes podem sim se agravar.

Por isso, volto a ressaltar que a importância de se consultar com um profissional competente para assegurar o melhor tratamento.

O último mito que gostaria de destacar é com relação à trombose e a embolia. Esses são riscos de qualquer procedimento e, por isso mesmo, tomamos todas as medidas necessárias para evitar esse tipo de complicação.

Um detalhe a se observar é que a recuperação e movimentação desses procedimentos são muito rápidas e isso diminui drasticamente qualquer risco de trombose ou embolia.

Bom, outro mito que existe é com relação ao valor do investimento para cuidar das varizes.

Você já ouviu aquela frase: “O barato saí caro”?

Então, isso se aplica perfeitamente aos procedimentos com varizes. Os métodos que teoricamente baratos não resolvem o seu problema, e até podem lhe prejudicar.

Agora que suas dúvidas já foram esclarecidas você já pode marcar a sua consulta. Basta ligar para: (11) 50532222 ou entre em contato via Whatsapp através do (11) 944729599.

Dependendo da época do ano, principalmente quando se aproxima o verão, a procura pelo tratamento de varizes aumenta e temos uma fila de espera grande.

Por isso, é melhor marcar a sua consulta o quanto antes.

Não perca mais tempo e venha agora mesmo fazer o método que vai permitir a você usar um shorts, uma saia, um vestido ou até mesmo um biquíni quando quiser.

Eu, Dr. Alexandre Amato, estou esperando você aqui no Amato - Instituto de Medicina Avançada para tratar as suas varizes.

 

Tags: varizestratamento Select ratingGive Tratamento de Varizes 1/5Give Tratamento de Varizes 2/5Give Tratamento de Varizes 3/5Give Tratamento de Varizes 4/5Give Tratamento de Varizes 5/5 Average: 5 (2 votes)
Categories: Medical

Tratamento de Varizes

Cirurgia Vascular - Sun, 01/20/2019 - 18:28



Olá, eu sou o Dr. Alexandre Amato e hoje quero acabar com todos os mitos que existem quando o assunto é varizes.

Vou te contar qual é o segredo para que você possa ter novamente uma perna lisa, bonita e livre das varizes incômodas. Tudo isso de uma forma segura, e livre de desconfortos.

Então, assista ao vídeo até o final se quiser descobrir tudo sobre varizes e como tratá-las.

Pelo que posso perceber dentro da nossa clínica ainda existe muita desinformação, muitas soluções supostamente milagrosas, mas com nenhuma comprovação cientifica.

E isso faz com que muitas mulheres sofram por mais tempo com as varizes, mesmo hoje, já existindo ótimas soluções.

Bom, mas quem sou eu para falar sobre esse assunto?

Eu sou médico, cirurgião vascular e endovascular, professor universitário, autor de livros e tive alguns artigos importantes sendo publicados em revistas internacionais.

Atualmente sou diretor administrativo do Amato - Instituto de Medicina Avançada.

Nós estamos há mais de 35 anos atendendo no Amato Consultório Médico, mas nossa história na medicina é muito anterior: são 4 gerações de médicos.

Nós estivemos presentes no início das especialidades médicas, e podemos dizer que nossa história se confunde com a história da medicina no Brasil.

Pois bem, dentro do Instituto Amato um dos vários procedimentos que realizamos há décadas é o combate às varizes.

Esse tipo de tratamento é cada vez mais procurado, principalmente, por aquelas mulheres que já tentaram de tudo. Receitas, chás, cremes e tantos outros métodos estéticos que não tratam de verdade o problema.

O fato é que não há nenhuma comprovação a respeito dessas técnicas alternativas e, mais do que isso, algumas delas podem até prejudicar o estado das varizes.

Muitas mulheres também já tentaram outros tratamentos, pagaram caro, e não tiveram resultados. Na maioria das vezes, esses procedimentos foram feitos por profissionais que nem eram da área da saúde.

É preciso, antes de tudo, entender o que realmente são as varizes e, a partir disso, definir como tratá-las.

As varizes são dilatações ou tortuosidades das veias do corpo humano. As mais comuns são as varizes dos membros inferiores

Como sabemos elas são incomodas, prejudicam a sua aparência e podem também ser prejudiciais a sua saúde, se não tratadas corretamente. Em alguns casos, as varizes podem evoluir para a formação de coágulos nas veias das pernas, a temida trombose.

Estimativas mostram que cerca de 40% das mulheres sofrem com a doença.

Boa parte delas acaba enfrentando uma série de dilemas.

Muitas acabam tendo vergonha e insegurança para colocar um shorts ou uma saia, por exemplo.

E, quando chega o verão, a situação se torna ainda pior. Por sentir vergonha muitas acabam usando calça comprida mesmo nos dias mais quentes.

Para elas usar um shorts ou vestido é algo possível apenas dentro de casa.

Além da insegurança, e da vergonha, as varizes também podem trazer muitas dores nas pernas, muito desconforto e coceira.

Mas o pior de tudo isso é ter a sensação de que o seu problema não tem solução..

Quem tem varizes acaba ouvindo opiniões e conselhos de todo mundo. E esses conselhos, em boa parte das vezes, são prejudiciais.

As pessoas não fazem por mal, mas a desinformação acaba atrapalhando você de ter um tratamento adequado.

Muita gente tem medo de fazer a cirurgia, da anestesia, do pós-operatório, das varizes voltarem depois, etc.

Só que nada disso hoje é motivo de preocupação.

A medicina já possui uma série de procedimentos que são muito eficientes, que tratam problema de verdade e sem trazer complicações para a paciente.

Tratar as varizes, não só é possível, como vai lhe trazer muitos benefícios  principalmente com relação a qualidade de vida.

Um estudo publicado no Journal of Vascular Surgery mostrou que após o tratamento foi possível perceber uma melhora na qualidade de vida dos pacientes em apenas 6 semanas.

O tratamento bem executado acaba com o desconforto, eleva a autoestima da mulher e a faz sentir melhor de uma maneira geral.

Ou seja, um método muitas vezes simples pode, em poucas semanas, acabar com o sofrimento de uma vida inteira.

Não há nada melhor do que se sentir bonita, sem constrangimento em mostrar as pernas em público e usando a roupa que quiser.

E o primeiro passo para resolver o problema é procurar um profissional adequado que vai conseguir te orientar em busca da melhor solução.

O mais recomendado é que você procure um cirurgião vascular já que as varizes são veias e, portanto, precisam ser cuidadas por quem entende do assunto.

Existem vários procedimentos para tratar varizes. Para cada caso há uma solução mais eficiente.

Para o tratamento dos vasinhos menores como reticulares, veias tributarias e colaterais, a microcirurgia e a técnica de Müller podem ser realizadas.

Bom, mas do que se trata exatamente a microcirurgia?

A microcirurgia é uma modificação da técnica de Müller e consiste em fazer pequenos furinhos e, através deles, retirar as veias.

Para você ter uma ideia como esses furos são realmente pequenos, eles não precisam nem de pontos.

Essa microcirurgia pode ser realizada com uma anestesia local sem a necessidade de hospital ou de uma anestesia geral.

Em outros casos, onde ocorre a insuficiência venosa de veias maiores como safena, safena magna, safena parva ou safenas acessórias, o mais indicado é a cirurgia a laser ou por radiofrequência.

Antigamente era feito outra cirurgia, em que se colocava um fio de aço para arrancar essa veia, mas hoje de acordo com as grandes diretrizes internacionais, essa já não é mais a solução primaria para o problema de varizes.

As técnicas termo ablativas, que é como chamamos o laser, e a radiofrequência, têm um resultado melhor e são as mais indicadas atualmente.

Ambas causam a oclusão da veia pelo calor, seja pela energia luminosa do laser ou do calor usado pela energia de micro-ondas, no caso da radiofrequência.

Então, quando falamos em tratamento de varizes, cada caso pede uma solução adequada e que vai trazer os melhores resultados.

E, somente sendo atendida por um profissional capacitado, que entenda do assunto, é que você poderá ter tranquilidade e segurança de que escolheu o procedimento correto.

É exatamente esse atendimento que nós oferecemos a você aqui no Instituto Amato.

Estamos localizados aqui na Av. Brasil, 2283, em São Paulo, SP. O Lugar é de fácil acesso, com metrô próximo, no Cruzamento da Rebouças com a Av Brasil.

A consulta leva entre 40 minutos a 1 hora,  e pode se estender se os exames forem realizados no mesmo momento.

Nossa clínica trabalha com os melhores tratamentos e tecnologia para cuidar de você da melhor maneira possível.

O seu tratamento iniciará primeiramente com uma consulta médica com um especialista em cirurgia vascular.

A partir dessa primeira análise, faremos uma série de exames para se aprofundar mais no seu problema e entender quais são exatamente as veias que precisam ser retiradas.

Como você já sabe existem diversos tratamentos como cirurgia, microcirurgia, com laser, sem laser e as famosas aplicações, espuma, e outros.

Ao não se orientar com um profissional qualificado, você corre o risco de fazer um procedimento inadequado, que não vai cuidar do problema, que será apenas um paliativo ou que vai lhe causar desconfortos desnecessários.

Aqui no Instituto de Medicina Avançado - Amato nós trabalhamos seguindo as diretrizes nacionais e internacionais para o tratamento padrão ouro, ou seja, a melhor indicação para cada caso.

Somente com esse tipo de garantia é que você pode ter a certeza que vai ter melhor solução para o seu problema.

É por isso que indicamos que você marque uma consulta no Instituto Amato e se livre de vez das varizes.

Basta ligar para o número (11) 50532222 ou entrar em contato via Whatsapp através do (11) 944729599 e marcar a sua consulta.

Antes de encerrar essa apresentação eu gostaria, conforme prometido, acabar com alguns mitos que existem sobre o tratamento de varizes.

O primeiro mito que existe é que somente a cirurgia tradicional pode acabar com as varizes.

Bom, como já vimos, cada caso exige um tratamento diferente, mas para uma grande parte das pacientes um procedimento como a microcirurgia é mais do que suficiente para se livrar do problema de vez.

Outro fator que precisa ser esclarecido é com relação a casos de reaparecimento das varizes depois de feito algum procedimento.

Quando isso acontece é porque normalmente o procedimento utilizado não foi adequado, ou houve evolução da doença genética.

E, mesmo nos casos em que a doença volta por algum motivo, o mais recomendável é procurar um tratamento o mais rápido possível. O acumulo de varizes acaba só aumentando o trabalho que precisará ser feito depois.

Um mito também muito comum é com relação ao pós-operatório da cirurgia.

Antigamente, os procedimentos realmente traziam muitas complicações, e a paciente precisava ficar em repouso por um mês.

Só que agora a situação é completamente diferente. O pós-operatório da cirurgia é muito mais rápido, entre 2 e 7 dias.

Além disso, a paciente não necessita ficar repousando na cama e as dores nesse período praticamente não existem.

Durante a cirurgia também é tudo muito tranquilo, afinal de contas, você estará dormindo.

Outro mito muito comum é a respeito da anestesia da cirurgia. Talvez você tenha algum receio de tomar anestesia geral ou mesmo a raquianestesia ou peridural.

Para a sua tranquilidade, tanto a microcirurgia quanto a cirurgia a laser, não se utilizam mais desse tipo de anestesia.

Em nossos procedimentos a paciente recebe anestesia local e uma sedação, assim como, em um procedimento de endoscopia.

Assim, ao acordar você já estará movimentando as suas pernas normalmente.

Outro mito que se criou foi de que alguns tratamentos poderiam piorar o estado das varizes.

Veja bem, todo procedimento visa uma melhoria, mas o que ocorre em boa parte das vezes é um erro de avaliação do profissional. As varizes podem ser sintomas de outros problemas.

Então, muitos pacientes são submetidos a procedimentos inadequados e nesses casos, as varizes podem sim se agravar.

Por isso, volto a ressaltar que a importância de se consultar com um profissional competente para assegurar o melhor tratamento.

O último mito que gostaria de destacar é com relação à trombose e a embolia. Esses são riscos de qualquer procedimento e, por isso mesmo, tomamos todas as medidas necessárias para evitar esse tipo de complicação.

Um detalhe a se observar é que a recuperação e movimentação desses procedimentos são muito rápidas e isso diminui drasticamente qualquer risco de trombose ou embolia.

Bom, outro mito que existe é com relação ao valor do investimento para cuidar das varizes.

Você já ouviu aquela frase: “O barato saí caro”?

Então, isso se aplica perfeitamente aos procedimentos com varizes. Os métodos que teoricamente baratos não resolvem o seu problema, e até podem lhe prejudicar.

Agora que suas dúvidas já foram esclarecidas você já pode marcar a sua consulta. Basta ligar para: (11) 50532222 ou entre em contato via Whatsapp através do (11) 944729599.

Dependendo da época do ano, principalmente quando se aproxima o verão, a procura pelo tratamento de varizes aumenta e temos uma fila de espera grande.

Por isso, é melhor marcar a sua consulta o quanto antes.

Não perca mais tempo e venha agora mesmo fazer o método que vai permitir a você usar um shorts, uma saia, um vestido ou até mesmo um biquíni quando quiser.

Eu, Dr. Alexandre Amato, estou esperando você aqui no Amato - Instituto de Medicina Avançada para tratar as suas varizes.

 

Tags: varizestratamento Select ratingGive Tratamento de Varizes 1/5Give Tratamento de Varizes 2/5Give Tratamento de Varizes 3/5Give Tratamento de Varizes 4/5Give Tratamento de Varizes 5/5 Average: 5 (1 vote)
Categories: Medical

Cirurgia de Varizes com Laser

Cirurgia Vascular - Sun, 01/20/2019 - 18:07
Cirurgia de Varizes com Laser

 

Com o avanço tecnológico, os procedimentos cirúrgicos tendem a se tornar cada vez mais seguros e menos invasivos. A cirurgia minimamente invasiva, feita por incisões cada vez menores, diminui a agressão ao organismo. Cirurgias antes realizadas sob anestesia geral, em que os pacientes eram abertos para a retirada de órgãos doentes, foram substituidas por técnicas que permitem o tratamento com o paciente acordado, ou apenas sedado.

O Laser vascular foi desenvolvido para termocoagular as células endoteliais da veia, causando fechamento do vaso doente. A lesão térmica causa o fechamento do vaso e posteriormente ocorre sua reabsorção. Outro mecanismo de ação é a contração do colágeno por coagulação proteica, que ocorre por volta de 50˚C.
A lesão térmica e a contração do colágeno atuam juntamente para a correção do problema e reabsorção da veia, retirando-a de circulação e eliminando o problema venoso decorrente da insuficiência valvular e varizes.

A cirurgia de varizes a laser pode não ser adequada a todos os casos. Portanto consulte seu cirurgião vascular para saber mais a respeito.

Vantagens da a cirurgia de varizes a Laser:

  • não é necessário hospital,
  • menor trauma operatório,
  • melhor evolução, 
  • excelente eficácia (99%) a curto prazo,
  • procedimento mais rápido,
  • menor incidência de complicações,
  • menor gravidade das complicações, 
  • retorno às atividades em até 2 ou 3 dias 

Você sabia que é possível fazer a cirurgia de varizes com laser pelo convênio através do reembolso? Apesar das operadoras ainda não cobrirem a tecnica mais avançada e moderna, ao usar o reembolso médico é possível conseguir a cobertura parcial ou total do procedimento.

Ao fazer sua cirurgia com equipe com ampla experiência no assunto os resultados são melhores: comprovado no trabalho científico internacional que publicamos. Após mais de 1 década realizando o procedimento di cirurgia de varizes com laser, adaptamos o método para os melhores resultados. Conheça nossa equipe vascular.

 

Recomenda-se para um resultado mais duradouro a utilização do laser em associação à fleboextração de pequenos vasos (microcirurgia dos vazinhos) e/ou o CLaCS (criolaser com crioglicose):

Veja no vídeo abaixo o método de funcionamento do laser, que tem a propriedade de ser absorvido apenas pelo tecido e pigmento adequado:

Tire todas suas dúvidas sobre varizes aqui:

Aqui estamos falando da cirurgia com laser para tratar varizes, ou seja, do laser emitido por dentro da veia. As técnicas de escleroterapia, principalmente CLaCs utiliza o laser por fora da pele para tratar vasinhos e algumas varizes menores.

 

 

* não é leiser heim pessoal, e muito menos lazer (lazer é diversão)

vasinhosvarizesvenosolaservazinhos Select ratingGive Cirurgia de Varizes com Laser 1/5Give Cirurgia de Varizes com Laser 2/5Give Cirurgia de Varizes com Laser 3/5Give Cirurgia de Varizes com Laser 4/5Give Cirurgia de Varizes com Laser 5/5 Average: 5 (2 votes)
Categories: Medical

Cirurgia de Varizes com Laser

Cirurgia Vascular - Sun, 01/20/2019 - 18:07
Cirurgia de Varizes com Laser

 

Com o avanço tecnológico, os procedimentos cirúrgicos tendem a se tornar cada vez mais seguros e menos invasivos. A cirurgia minimamente invasiva, feita por incisões cada vez menores, diminui a agressão ao organismo. Cirurgias antes realizadas sob anestesia geral, em que os pacientes eram abertos para a retirada de órgãos doentes, foram substituidas por técnicas que permitem o tratamento com o paciente acordado, ou apenas sedado.

O Laser vascular foi desenvolvido para termocoagular as células endoteliais da veia, causando fechamento do vaso doente. A lesão térmica causa o fechamento do vaso e posteriormente ocorre sua reabsorção. Outro mecanismo de ação é a contração do colágeno por coagulação proteica, que ocorre por volta de 50˚C.
A lesão térmica e a contração do colágeno atuam juntamente para a correção do problema e reabsorção da veia, retirando-a de circulação e eliminando o problema venoso decorrente da insuficiência valvular e varizes.

A cirurgia de varizes a laser pode não ser adequada a todos os casos. Portanto consulte seu cirurgião vascular para saber mais a respeito.

Vantagens da a cirurgia de varizes a Laser:

  • não é necessário hospital,
  • menor trauma operatório,
  • melhor evolução, 
  • excelente eficácia (99%) a curto prazo,
  • procedimento mais rápido,
  • menor incidência de complicações,
  • menor gravidade das complicações, 
  • retorno às atividades em até 2 ou 3 dias 

Você sabia que é possível fazer a cirurgia de varizes com laser pelo convênio através do reembolso? Apesar das operadoras ainda não cobrirem a tecnica mais avançada e moderna, ao usar o reembolso médico é possível conseguir a cobertura parcial ou total do procedimento.

Ao fazer sua cirurgia com equipe com ampla experiência no assunto os resultados são melhores: comprovado no trabalho científico internacional que publicamos. Após mais de 1 década realizando o procedimento di cirurgia de varizes com laser, adaptamos o método para os melhores resultados. Conheça nossa equipe vascular.

 

Recomenda-se para um resultado mais duradouro a utilização do laser em associação à fleboextração de pequenos vasos (microcirurgia dos vazinhos) e/ou o CLaCS (criolaser com crioglicose):

Veja no vídeo abaixo o método de funcionamento do laser, que tem a propriedade de ser absorvido apenas pelo tecido e pigmento adequado:

Tire todas suas dúvidas sobre varizes aqui:

Aqui estamos falando da cirurgia com laser para tratar varizes, ou seja, do laser emitido por dentro da veia. As técnicas de escleroterapia, principalmente CLaCs utiliza o laser por fora da pele para tratar vasinhos e algumas varizes menores.

 

 

* não é leiser heim pessoal, e muito menos lazer (lazer é diversão)

vasinhosvarizesvenosolaservazinhos Select ratingGive Cirurgia de Varizes com Laser 1/5Give Cirurgia de Varizes com Laser 2/5Give Cirurgia de Varizes com Laser 3/5Give Cirurgia de Varizes com Laser 4/5Give Cirurgia de Varizes com Laser 5/5 Average: 5 (2 votes)
Categories: Medical

Tratamento do Lipedema

Cirurgia Vascular - Thu, 01/17/2019 - 18:03

Não existe um tratamento único e definitivo. O controle e melhora da qualidade de vida se atinge ao direcionar o tratamento nos 5 pilares:

  • Reduzir a inflamação
  • Controle da dor
  • Melhorar o retorno linfático
  • Suporte emocional
  • Ajudando o corpo a lidar com o lipedema

 

Embora o lipedema tenha sido diagnosticado e identificado inicialmente na famosa Mayo Clinic em 1940, a maioria dos médicos não está familiarizado com a doença. Não há cura identificada no momento para o lipedema, entretanto a detecção precoce e o tratamento pode reduzir os danos progressivos ao paciente. Mudanças precoces de peso e dieta com nutrição e exercício podem ajudar a reduzir a gordura não  lipedêmica e reduzir a inflamação. Dessa forma pode prevenir o aumento da parte inferior do corpo, que seria pior se o paciente também fosse obeso. Entretanto, mesmo com dieta rígida e regime de exercícios a doença também pode progredir e tratamentos futuros podem ser necessários.

Embora não haja tratamento comprovadamente efetivo para o lipedema, o edema pode ser controlado com a compressão, certos medicamentos, drenagem linfática manual e terapia de descongestão completa. A compressão pode ajudar no retorno linfático, mas dificilmente é tolerado pela dor que os pacientes apresentam, por isso é necessário o tratamento com médico especializado também na escolha da melhor compressão e o melhor momento para inicia-la.

O Lipedema é acompanhado as vezes de outras doenças, que podem agravar a saúde do paciente. Doenças articulares, venosas, linfedema, obesidade, transtornos psicossociais são vistos frequentemente em pacientes com lipedema. Medicamentos para controle da dor, ansiedade e depressão são comuns nesta população, por isso recomenda-se associação a grupos de suporte. A cirurgia bariátrica para obesidade não reduz a gordura lipedemica, embora possa ajudar a tratar as co-morbidades que acompanham.

Grupo de suporte no Facebook

Lipoaspiração:

O tratamento cirúrgico com lipoaspiração no tratamento do lipedema iniciou em 1980 e está ficando cada vez mais comum. Embora tenha ajudado muitos pacientes quando feito por cirurgião treinado e consciente do lipedema, poucos médicos tem o conhecimento necessário, sendo um tratamento frequente na Europa, mas nem tanto nos Estados Unidos. Entre as técnicas de tratamento disponíveis, nem todas são adequadas para todos pacientes. A Lipoasiração assistida a água (WAL – Water Assisted Liposuction) e a Lipoaspiração por tumescência (TLA – Tumescent Liposuction) são dois procedimentos realizados rotineiramente na Alemanha, Países Baixos, Inglaterra e Áustria para pacientes com Lipedema e no Brasil pelo Instituto Amato. Recomenda-se que os pacientes busquem informação aprofundada sobre as técnicas e os médicos antes da realização de qualquer procedimento.

 

 

 

 

Tags: lipedematratamento Select ratingGive Tratamento do Lipedema 1/5Give Tratamento do Lipedema 2/5Give Tratamento do Lipedema 3/5Give Tratamento do Lipedema 4/5Give Tratamento do Lipedema 5/5 Average: 5 (1 vote)
Categories: Medical

Tratamento do Lipedema

Cirurgia Vascular - Thu, 01/17/2019 - 18:03

Não existe um tratamento único e definitivo. O controle e melhora da qualidade de vida se atinge ao direcionar o tratamento nos 5 pilares:

  • Reduzir a inflamação
  • Controle da dor
  • Melhorar o retorno linfático
  • Suporte emocional
  • Ajudando o corpo a lidar com o lipedema

 

Embora o lipedema tenha sido diagnosticado e identificado inicialmente na famosa Mayo Clinic em 1940, a maioria dos médicos não está familiarizado com a doença. Não há cura identificada no momento para o lipedema, entretanto a detecção precoce e o tratamento pode reduzir os danos progressivos ao paciente. Mudanças precoces de peso e dieta com nutrição e exercício podem ajudar a reduzir a gordura não  lipedêmica e reduzir a inflamação. Dessa forma pode prevenir o aumento da parte inferior do corpo, que seria pior se o paciente também fosse obeso. Entretanto, mesmo com dieta rígida e regime de exercícios a doença também pode progredir e tratamentos futuros podem ser necessários.

Embora não haja tratamento comprovadamente efetivo para o lipedema, o edema pode ser controlado com a compressão, certos medicamentos, drenagem linfática manual e terapia de descongestão completa. A compressão pode ajudar no retorno linfático, mas dificilmente é tolerado pela dor que os pacientes apresentam, por isso é necessário o tratamento com médico especializado também na escolha da melhor compressão e o melhor momento para inicia-la.

O Lipedema é acompanhado as vezes de outras doenças, que podem agravar a saúde do paciente. Doenças articulares, venosas, linfedema, obesidade, transtornos psicossociais são vistos frequentemente em pacientes com lipedema. Medicamentos para controle da dor, ansiedade e depressão são comuns nesta população, por isso recomenda-se associação a grupos de suporte. A cirurgia bariátrica para obesidade não reduz a gordura lipedemica, embora possa ajudar a tratar as co-morbidades que acompanham.

Grupo de suporte no Facebook

Lipoaspiração:

O tratamento cirúrgico com lipoaspiração no tratamento do lipedema iniciou em 1980 e está ficando cada vez mais comum. Embora tenha ajudado muitos pacientes quando feito por cirurgião treinado e consciente do lipedema, poucos médicos tem o conhecimento necessário, sendo um tratamento frequente na Europa, mas nem tanto nos Estados Unidos. Entre as técnicas de tratamento disponíveis, nem todas são adequadas para todos pacientes. A Lipoasiração assistida a água (WAL – Water Assisted Liposuction) e a Lipoaspiração por tumescência (TLA – Tumescent Liposuction) são dois procedimentos realizados rotineiramente na Alemanha, Países Baixos, Inglaterra e Áustria para pacientes com Lipedema e no Brasil pelo Instituto Amato. Recomenda-se que os pacientes busquem informação aprofundada sobre as técnicas e os médicos antes da realização de qualquer procedimento.

 

 

 

 

Tags: lipedematratamento Select ratingGive Tratamento do Lipedema 1/5Give Tratamento do Lipedema 2/5Give Tratamento do Lipedema 3/5Give Tratamento do Lipedema 4/5Give Tratamento do Lipedema 5/5 Average: 5 (1 vote)
Categories: Medical

Veias Varicosas e Varizes

Cirurgia Vascular - Thu, 01/17/2019 - 17:54

Veias varicosas afetam a vida de milhões de pessoas. E por causa dessa frequência e divulgação, a maioria das pessoas reconhece facilmente as veias varicosas como veias dilatadas e tortuosas, visíveis a olho nu e que saltam por sobre a pele. O diagnóstico muitas vezes é feito pelo próprio paciente.
Mas você sabia que você pode ter veias varicosas não tão aparentes e nem ficar sabendo?
Muitas dessas veias estão abaixo da superfície da pele e não são visíveis. As teleangectasias visíveis e as veias varicosas às vezes são apenas a ponta do iceberg. Embora a maioria dos pacientes procure ajuda médica porque esta descontente com a parte estética das teleangectasias e das veias varicosas, isso pode esconder, de fato, um problema venoso muito maior.
As teleangectasias e veias varicosas podem ser um sinal externo, ou um aviso, de que há um problema interno que é conhecido como insuficiência venosa. Pacientes que têm dor crônica, desconforto, sensação de peso ou câimbras, são pacientes que têm mais chance de possuir insuficiência venosa.
As veias varicosas normalmente aparecem em adultos e podem ser causadas por uma variedade de fatores genéticos, ambientais e ocupacionais. O histórico familiar de veias varicosas, múltiplas gravidezes, exposição ao hormônio estrogênio com medicamentos, um estilo de vida sedentário, trauma de tecidos moles e algumas profissões que requerem muito tempo sentado ou de pé. Histórico de trombose e idade avançada, podem todos contribuir para o desenvolvimento da doença venosa, como veias varicosas e insuficiência venosa.
As pessoas frequentemente pensam “O que causa a veia varicosa?”
Enquanto veias normais do nosso corpo trazem o sangue de volta para cima, trazem o sangue das pernas de volta para o coração, as veias varicosas permitem o fluxo sanguíneo nas duas direções, tanto para cima, para o coração, quanto para baixo, para os pés. Isso porque as veias perderam sua habilidade de vencer a gravidade, que está constantemente fazendo força para trazer o sangue para baixo.
Se a gravidade vencesse e todo o nosso sangue parasse em nossos pés, nós iríamos desmaiar. Para evitar que isso aconteça, nós temos válvulas na maior parte de nossas veias, que somente permitem o fluxo em um sentido.
Mas enquanto as veias começam o processo de se tornar varicosas, as paredes vão ficando mais fracas e dilatando. Enquanto elas dilatam, as paredes das veias ficam mais distantes, afastando as válvulas e permitindo que a gravidade vença, empurrando um pouquinho de sangue em direção aos nossos pés, que seria o refluxo.

O que são varizes?
Veias dilatadas e tortuosas, visíveis a olho nú. Essa é a definição mais imples e prática que existe.

O que causa esse enfraquecimento das paredes venosas?
Pesquisas recentes mostram que esse é um processo complicado que envolve a inflamação do corpo, que resulta no dano da parede da veia. Até o momento, não se sabe definitivamente o que desencadeia essa inflamação ou o que pode preveni-la, mas temos alguns indícios.
Os flebologistas têm a esperança de que um dia haverá uma maneira de impedir essa inflamação ou impedir o dano na parede venosa e prevenir a formação das veias varicosas completamente, mas até o momento ainda não há.
Além dos problemas estéticos que as veias dilatadas criam, elas também apresentam uma variedade de outros problemas para as pessoas que as possuem. Sempre que algo em nosso corpo começa a se esticar, ele começa a doer. Essa é a razão pela qual as pessoas que têm veias varicosas frequentemente experimentam sintomas desagradáveis nas pernas, incluindo dor, latejamento, queimação, peso ou fadiga nas pernas, além de uma coceira intensa sobre as veias dilatadas.
Algumas pessoas acordam com dor nas pernas, tipo câimbra, em decorrência das veias varicosas. Esses sintomas normalmente aparecem quando a pessoa tem que ficar muito tempo de pé ou sentada. Por esta razão as pessoas com profissões que não permitem uma movimentação frequente, notam que suas pernas podem ficar desconfortáveis durante, ou no final, do dia de trabalho e é por isso que deitar e elevar as pernas pode fazer se sentir melhor.
Algumas vezes em alguma área da perna que tenha veia varicosa e que sofre um pequeno trauma, como uma batida, ou após um longo período parado no carro ou no avião ou um período prolongado de descanso, um trombo pode se formar dentro de uma veia varicosa. Isto é chamado de trombose, e, se ocorre em uma veia da superfície, tromboflebite superficial
A veia se torna dura, vermelha e dolorosa. Nesses casos o cirurgião vascular ou flebologista pode indicar o uso de meia elástica de compressão, associado ao uso de medicamentos anti-inflamatórios, anti-coagulantes e movimentação frequente. Raramente pode ser necessário cirurgia.
Outras vezes, a formação de um trombo em uma veia do sistema venoso profundo também pode estar presente. Essa é uma situação muito mais séria e que tem um potencial risco de morte, pois a trombose venosa profunda pode desencadear a fatal embolia pulmonar.
Sempre que ocorrer a situação de suas veias ficarem vermelhas, quentes doloridas ou inchaço nas pernas, você deve procurar atendimento médico.
Em algumas pessoas as veias varicosas podem levar ao dano à pele na área do tornozelo. Devido ao refluxo e ao aumento de pressão nas veias da perna, a pressão no tornozelo, venosa, fica maior ainda. Após muito tempo dessa situação isso desencadeia uma reação em cadeia de eventos que podem resultar em uma mancha na pele, chamada dermatite ocre ou mesmo uma úlcera na parte interna ou externa do tornozelo. Essa inflamação duradoura pode também com o tempo endurecer a pele, causando a chamada dermatofibrose.
Tratando as veias varicosas e prevenindo o fluxo do sangue para baixo, esse processo pode ser interrompido e a úlcera pode ser prevenida, razão pela qual o tratamento cirúrgico da insuficiência venosa previne as complicações futuras. Muitas vezes o aparecimento da macha dermatite ocre é o primeiro sintoma, e o dermatologista vai encaminhar para o cirurgião vascular, pois, para ter êxito no tratamento da mancha é necessário primeiro o tratamento da sua causa, a insuficiência venosa.
 
 
Veja mais:

 
Autor: Prof. Dr. Alexandre Amato
* Imagens do banco de imagens: © roblan | Dreamstime.com - Varicose veins

Tags: varizesvenosoveias Select ratingGive Veias Varicosas e Varizes 1/5Give Veias Varicosas e Varizes 2/5Give Veias Varicosas e Varizes 3/5Give Veias Varicosas e Varizes 4/5Give Veias Varicosas e Varizes 5/5 Average: 4.7 (3 votes)
Categories: Medical

Pages

Subscribe to Amato Software aggregator - Medical