fbpx Cirurgia Vascular | Amato Software

Cirurgia Vascular

Subscribe to Cirurgia Vascular feed Cirurgia Vascular
Cirurgião Vascular em São Paulo
Updated: 18 min 45 sec ago

Lipedema não é um tumor de gordura.

Wed, 04/14/2021 - 09:50

O lipedema foi descrito pela primeira vez em 1940 pelos doutores Edgar Van Nuys Allen, cirurgião cardiovascular conhecido pelo teste de Allen, e Edgar Alphonso Hines Jr. na Mayo Clinic na sessão Vascular Clinics, e, hoje nomeia a síndrome de Allen-Hines. Desde então o lipedema foi caracterizado como uma deposição anormal de gordura em glúteos e pernas bilateralmente que pode ser acompanhada por edema ortostático.

A palavra tumor, significa “Termo genérico para indicar aumento de volume localizado; crescimento mórbido de tecido; neoplasma.”. Se refere a um crescimento contido em determinado espaço e não a um crescimento difuso, como no lipedema.

Mas existe então um tumor de gordura? Certamente que sim: existem tumores malignos e benignos de gordura que são bem estudados e bem classificados na medicina.

Os tumores de gordura benignos são os lipomas (CID D17). Lipoma é um tumor benigno, composto por células de tecido adiposo (adipócitos), que se acumulam dentro de uma cápsula fibrosa logo abaixo da pele, no tecido subcutâneo. Algumas pessoas se referem a eles como “bolinhas de gordura”. Essa capsula fibrosa define o espaço circunscrito onde se localiza esse tumor. Não é lipedema (CID E65). Essa diferenciação se faz primordial para o tratamento correto, pois são doenças completamente diferentes com abordagens terapêuticas completamente diferentes. O lipoma, o verdadeiro tumor de gordura, portanto, consiste em uma (ou várias) protuberância de gordura localizada, geralmente, entre a pele e a camada subjacente de músculo. Os lipomas apresentam crescimento lento e costumam ser inofensivos, ocorrendo em qualquer parte do organismo que possua tecido gorduroso, não somente pernas e braços. Raramente, podem ser cancerígenos. Algumas pessoas possuem mais de um e, na maioria das vezes não causa dor.

O aparecimento de vários lipomas ocorre na lipomatose (CID E88.2), que não tem relação com o lipedema. Esta doença também é chamada de lipomatose simétrica múltipla, doença de Madelung ou adenolipomatose de Launois-Bensaude. Os nódulos causados pela lipomatose são conhecidos como “lipoma” e são pequenos tumores benignos feitos de células de gordura, que se acumulam principalmente na região do abdômen e das costas. A Lipomatose Múltipla Familial é outro transtorno genético da hipoderme, caracterizado pela formação lenta e progressiva de nódulos.

O lipossarcoma (CID C49.9) é o tumor raro de gordura que se inicia no tecido gorduroso do corpo, mas que pode facilmente se espalhar para outras partes moles, como os músculos e a pele. Lipossarcoma representa cerca 9.8% a 18% de sarcomas de tecidos moles, com a segunda variante histológica mais frequente destes tumores.

 

Lipoma Gordura do lipedema

Portanto, algumas doenças do tecido gorduroso que poderiam ser consideradas tumores são: lipoma, lipossarcoma, doença de Dercum e outras, mas não Lipedema.

Entretanto, o problema não é apenas terminológico, e sim de compreensão e estigmatização de uma doença mal compreendida. Apesar de “tumor” poder se referir a doenças benignas e malignas, também é certo que é uma palavra que, por si só, causa temor para o leigo, afinal, ninguém quer um tumor crescendo dentro de si, seja ele maligno ou benigo. O que remete à sugestão da necessidade de retirada de um tumor. Quem tem um tumor, quer retirá-lo. Mas, e se não for um tumor de verdade? A psicologia humana é muito interessante, e, nas portadoras de Lipedema, muito abalada por anos ou décadas de descaso e acusações de obesidade e outras doenças infundadas. Portanto, o uso do termo “tumor” não é apenas um problema de nomenclatura, mas remete inconscientemente à sugestão da necessidade de extirpação instantânea da doença, o que não é, em nenhum grau, verdade. Passa a ser um desserviço piorando a estigmatização das pacientes pois:

  1. A cirurgia lipoaspiração não é curativa do Lipedema, é sim uma entre tantas ferramentas para minimização dos sintomas do Lipedema;
  2. A cirurgia lipoaspiração do lipedema não altera a causa principal da doença, que é a genética, hormonal e alimentar;
  3. A cirurgia lipoaspiração não exime a paciente da necessidade de fazer o tratamento conservador, e, o termo tumor, sugere que sua retirada elimina a doença por completo;
  4. A cirurgia não está indicada em todos os casos de Lipedema;
  5. A grande maioria da população com lipedema, 11% da população feminina está controlada em seus sintomas, sem a necessidade de cirurgia;
  6. A cirurgia não deve ser a primeira medida realizada no tratamento, principalmente na ausência de tentativa de tratamento clínico prévio;
  7. A cirurgia, na maioria das vezes, é financiada de forma particular, não sendo coberta pelo SUS ou planos de saúde, e, portanto, a grande maioria das pacientes não tem condições financeiras para realizá-la;
  8. A não realização de um procedimento visto erroneamente como curativo, impede a paciente com lipedema de progredir com as dezenas de técnicas gratuitas ou de baixo custo existentes;
  9. A ansiedade, muito frequente no Lipedema, tende a piorar, o que também agrava os sintomas do Lipedema;
  10. O lipedema é doença genética com alterações vasculares no sistema linfático influenciada por hormônios, alimentação e hábitos de vida.
 

A realização de cirurgia de lipoaspiração para tratamento do lipedema deve ser vista como uma ferramenta útil dentro do arsenal terapêutico para ajudar no controle dessa doença, pois, aquelas que realizam a cirurgia e não fazem o tratamento conservador invariavelmente voltarão a ter sintomas em pouco tempo.

O post Lipedema não é um tumor de gordura. apareceu primeiro em Vascular.pro.

Categories: Medical

Qual a sensação da veia entupida?

Tue, 04/13/2021 - 19:50

Veia entupida é o nome comum dado à obstrução arterial ou venosa que acontece quando o sangue é impedido de circular naturalmente por dentro de veias, vasos e artérias. Esse impedimento pode ter várias razões e provocar sintomas diversos ao indivíduo. Veja a seguir quais são os sintomas mais comuns da “veia entupida” e o que fazer ao identificar o problema.

“Veia entupida”: o que é?

Dizemos que uma veia está entupida quando o fluxo sanguíneo nessa região é interrompido e o sangue fica estagnado. Esse acúmulo de sangue gera vários desconfortos, além de doenças graves. Uma das regiões mais afetadas por veias entupidas são os membros inferiores, mais precisamente na região da panturrilha.

A aterosclerose é uma das principais causas das artérias entupidas e se caracteriza pela presença de placas de gordura no interior das artérias, obstruindo a passagem regular do sangue. A aterosclerose é responsável pela maioria dos casos de outra enfermidade: a doença arterial periférica (DAP).

 

Riscos de uma veia ou artéria entupida

O sangue possui vários componentes necessários à saúde e ao funcionamento de órgãos, músculos e tecidos, como o oxigênio, por exemplo. Quando alguma parte do corpo sofre com falta de oxigênio, estamos diante de uma isquemia, uma doença arterial que pode atingir qualquer parte do corpo, mas é muito comum na região das pernas e também no coração.

Além disso, a própria doença arterial periférica é uma consequência grave de um vaso entupido, pois, além dos sintomas extremamente desconfortáveis, também pode evoluir para outros problemas igualmente sérios e que necessitam de atenção urgente, como a amputação dos membros.

Por fim, temos a trombose venosa, que se caracteriza pela formação de coágulos dentro das veias, impedindo o fluxo sanguíneo. Esses trombos podem chegar até os pulmões, dificultando a chegada de oxigênio nesse órgão e causando uma embolia pulmonar, doença grave que pode levar o paciente a óbito.

 

Sensação de uma veia entupida

Será que é possível saber se uma veia do seu corpo está entupida? A partir da observação detalhada do corpo e dos sinais que ele apresenta, é provável que a pessoa que esteja com alguma artéria obstruída consiga perceber alguma alteração.

Apesar disso, é preciso saber que a artéria entupida faz parte de um problema crônico que é a doença arterial periférica. Por isso, os sintomas podem variar de acordo com a fase da doença e, quando em seu estágio inicial, alguns desses sinais podem não aparecer.

Ainda assim, podemos destacar alguns sintomas bastante relatados por quem sofre com veia entupida. São eles:

 

Dor local

A dor provocada pela veia entupida costuma atacar regiões específicas como os músculos da panturrilha e da coxa. O momento em que ela surge também é um fator de destaque. Geralmente, essa dor aparece quando o indivíduo começa a caminhar e diminui quando ele descansa.

Esse tipo de dor também é chamada de claudicante ou claudicação por causa da mudança alternada de movimentos iguais: caminhar, parar por causa da dor, voltar a caminhar quando a dor passa, parar novamente e assim por diante.

Quando a doença já está em estágio avançado, o indivíduo relata dores intensas nas pernas mesmo em repouso, quando está deitado, por exemplo. Muitos pacientes não conseguem dormir direito por causa da dor intensa e se sentem melhores quando deixam as pernas pendentes, para fora da cama.

 

Inchaço em apenas uma das pernas

Quando há formação de coágulos impedindo o fluxo sanguíneo dentro das veias, o local afetado sofre com inchaço e também é um sintoma a ser analisado com atenção. Esse inchaço é uma consequência direta do sangue acumulado, impedido de seguir o seu caminho natural.

Junto com o inchaço, o paciente pode experimentar calor na região, dor ao caminhar ou ao toque, irritação local e vermelhidão na pele.

Esse inchaço não ocorre nas duas pernas ao mesmo tempo, uma vez que nem sempre os dois membros são afetados pelo entupimento das veias ao mesmo tempo. Por isso, o paciente pode identificar uma perna com um volume maior, enquanto a outra continua com seu aspecto normal.

Então, uma perna mais inchada do que a outra, com dor e vermelhidão pode ser o resultado de uma veia entupida na região dos membros inferiores.

Além desses sintomas, podemos listar também:

 

Nos homens, a obstrução das artérias também pode causar disfunção erétil, quando a doença está em estágio avançado.

 

Como é feito o diagnóstico da veia entupida

Logo que identificar algum dos sinais listados, é fundamental que o indivíduo marque uma consulta com o cirurgião vascular e relate o que está sentindo.

Nesse primeiro contato, o médico deverá investigar os hábitos de vida do paciente que possam favorecer o surgimento da doença, analisar as pernas desse paciente em busca de indícios da doença, medir a pressão da região, que costuma ser mais baixa do que em outros locais, e solicitar exames para confirmar o diagnóstico.

Exames de imagem são essenciais para verificar a situação das artérias e o nível de estreitamento delas. São exemplos: ultrassom, angiografia, tomografia computadorizada e ressonância magnética.

 

Fatores de risco para a veia entupida

Pacientes que sofrem com veias entupidas costumam apresentar um perfil com alguns pontos em comum, considerados fatores de risco para a doença. Por exemplo:

  • Fumantes;
  • Obesos;
  • Sedentários;
  • Diabéticos;
  • Hipertensos;
  • Pessoas com colesterol alto;
  • Pessoas com mais de 50 anos: o avanço da idade compromete a saúde e qualidade das artérias;
  • Pessoas com histórico na família de doenças obstrutivas arteriais.

 

Como tratar a veia entupida

O tratamento para a veia entupida depende do grau de entupimento e de sua localização (arterial ou venoso), além das condições gerais de saúde da pessoa. Algumas mudanças de hábitos podem ajudar a prevenir e amenizar o problema como, por exemplo:

  • Fazer exercícios físicos;
  • Melhorar a alimentação;
  • Hidratação;
  • Parar de fumar e de ingerir álcool;
  • Controlar o diabetes, a pressão alta e o colesterol.

 

O médico pode prescrever medicamentos para ajudar a desentupir as artérias e veias e realizar exames de desobstrução desses vasos com a angioplastia, que pode ser ou não acompanhada da aplicação do stent, um pequeno tubo metálico que mantém a artéria livre de obstruções.

Como vimos, a sensação de uma veia entupida pode provocar no paciente dores nas pernas ao caminhar ou mesmo estando em repouso, acompanhado de inchaço em um dos membros, além de outros sintomas. Diante de qualquer alteração do tipo é fundamental buscar a orientação de um cirurgião vascular para diagnosticar e tratar o problema o quanto antes e evitar complicações.

O post Qual a sensação da veia entupida? apareceu primeiro em Vascular.pro.

Categories: Medical

O Glúten

Tue, 04/06/2021 - 14:35

O glúten é um combinado de proteínas de armazenamento denominadas prolaminas e glutaminas, que se unem com o amido no endosperma (que nutre a planta embrionária durante a germinação) das sementes de vários cereais da família das gramíneas (Poaceae), subfamília Pooideae, principalmente das espécies da tribo Triticeae, como o trigo, cevada, triticale (híbrido de trigo e centeio) e centeio. Esses cereais são compostos por cerca de 40-70% de amido, 1-5% de lipídios, e 7-15% de proteínas (gliadina, glutenina, albumina e globulina). Por sua estrutura bioquímica, esse tipo de glúten é, muitas vezes, denominado “glúten triticeae”, e popularmente conhecido como “glúten de trigo”.

Espécies da tribo Aveneae, como a aveia, não contém glúten, mas, normalmente, são processadas em fábricas e moinhos que também processam cereais que contêm essa substância, causando assim a contaminação da aveia pelos resíduos de glúten.

A viscosidade e elasticidade são propriedades naturais dos elementos proteicos do glúten, a gliadina (prolamina) e glutenina (glutelina). A gliadina (composta pelos aminoácidos sulfurados, cistina e cisteína) é uma proteína bastante extensível, mas pouco elástica, responsável pela ductibilidade e coesividade, enquanto a glutenina é o polímero responsável pela elasticidade da estrutura. A complexa mistura dessas duas cadeias proteicas longas resulta na formação da massa com propriedades de coesão e viscoelasticidade, na qual o glúten retém a água nos interstícios das cadeias proteicas.

Até recentemente acreditava-se que a intolerância ao glúten restringia-se aqueles que possuem doença celíaca e alergia ao trigo, porém, nos últimos anos, vários artigos científicos provaram que o glúten também afeta pessoas que não possuem essas doenças. Essa nova entidade foi nomeada de sensibilidade não-celíaca ao glúten. Mas não é tão nova assim, os primeiros relatos datam de 3 décadas atrás. Não se sabe a real prevalência da sensibilidade não celíaca ao glúten pois muitos pacientes fazem o auto diagnóstico e se tratam com dieta livre de glúten sem consulta médica, mas estima-se entre 6 a 63% da população. O problema aparenta ser mais frequente em mulheres jovens e de meia idade.

 

Os sintomas são semelhantes à síndrome do intestino irritável, como dor abdominal, flatulência, empachamento, diarreia, constipação, além de sintomas sistêmicos como dor de cabeça, dor muscular e articular, fadiga crônica, câimbras, dormência de membros, “mente embaçada”, perda de massa muscular, anemia, eczema, eritema, hiperatividade, ataxia, distúrbio de atenção e depressão. Os sintomas aparecem horas ou dias após a ingestão do glúten(1).

O diagnóstico é feito com o teste alimentar com dieta livre de glúten por três semanas. Não existe marcador laboratorial especifico para a sensibilidade não-celíaca ao glúten. Os marcadores anticorpos IgG antigliadina ocorrem em apenas metade dos pacientes.

O glúten também causa o aumento da permeabilidade intestinal. Quando ingerido, o glúten entre no trato gastrointestinal, e suas proteínas glutaminas e prolaminas são parcialmente hidrolisadas por proteases presentes no trato gastrointestinal. Ocorre aumento do peptídeo zonulina, envolvido regulação da junção celular, que aparentemente é responsável pelo aumento da permeabilidade intestinal.(2)

 

A alergia ao glúten é mediada por anticorpos IgE, sendo a ω5-gliadina o principal alérgeno.

 

Dieta livre de glúten.

 

Só existe um método provado de tratar a sensibilidade não-celíaca ao glúten, que, obviamente é a retirada completa do glúten da alimentação. Existe pouca informação sobre a quantidade mínima tolerável, que pode variar entre 10 a 100mg diários. A remoção completa de todo glúten da dieta não é factível por contaminação na preparação alimentar e presença de pequenas quantidades em alimentos e medicamentos.

Produtos sem glúten normalmente são feitos com farinhas e amidos refinados com baixa quantidade de fibras, necessárias para uma dieta saudável. A dieta livre de glúten também está associada a deficiência de vitamina C, B12, D e ácido fólico, portanto a ingesta de frutas e antioxidantes é recomendada. Alimentos sem glúten tem baixa quantidade de folato, sendo necessário reposição.

O post O Glúten apareceu primeiro em Vascular.pro.

Categories: Medical

Pages